Os últimos dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) dão conta de uma crescente procura por este tipo de tratamentos. Contas feitas, o número de intervenções aumentou 5,4% em 2018.

Os tratamentos não invasivos, como preenchimentos, aumentaram 10,4%, significativamente mais do que as intervenções cosméticas, que apresentaram uma ligeira queda de 0,6%, revela o relatório.

De entre as operações mais frequentes, a que agora ocupa o primeiro lugar é o aumento mamário com colocação de implantes, com um crescimento de 6,1% face ao ano anterior e de 27,6% em relação a 2014.

Lipoaspiração e abdominoplastia, ambas com um aumento de mais de 9% em relação ao ano anterior, foram as intervenções que registaram o maior aumento.

No que diz respeito aos tratamentos com a toxina botulínica, assistiu-se aqui a um crescimento de 17,4% em relação a 2017, seguido pelos tratamentos de preenchimento com ácido hialurónico (mais 11,6%).

Mulheres procuram mais tratamentos de cirurgia plástica

EUA e Brasil sã os dois principais mercados deste tipo de intervenções, representando 28,4% do total de procedimentos estéticos realizados em todo o mundo, seguidos de México, Alemanha, Índia, Itália, Argentina, Colômbia, Austrália e Tailândia.

O Brasil alcançou o primeiro lugar no mundo em procedimentos de cirurgia estética, enquanto os Estados Unidos lideram o mundo em procedimentos não cirúrgicos.

No que diz respeito às diferenças de género, as mulheres continuam a liderar no número de procedimentos cosméticos realizados, com 87,4%, ou seja, mais de 20 milhões de procedimentos. Os homens representaram 12,6% do total de procedimentos em 2018, ou seja, 2.9 milhões.

Os procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos mais populares entre as mulheres são o aumento do peito, com 1.8 milhões de intervenções, assim como os tratamentos com a toxina botulínica (5.3 milhões).

Os procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos mais populares entre os homens são ginecomastia, a redução da mama masculina. com 269.720 procedimentos e os tratamentos com toxina botulínica, com 752.752.

“É emocionante ver a rapidez com que o mercado está a mudar no mundo”, comenta Dirk Richter, presidente do ISAPS.

“Mais e mais tratamentos minimamente invasivos estão a ser realizados, como mostram os números.”

No entanto, alerta para os tratamentos de preenchimento realizados por não médicos ou médicos não treinados, salientando o crescimento das complicações em todo o mundo.

“Embora os implantes mamários sejam um tema recorrente nos media, é a área que mais cresce no mundo e os pacientes reconhecem os seus múltiplos benefícios. Estamos a ver números recordes novamente este ano, o que mostra que os pacientes estão a aproveitar-se das mais recentes inovações em cirurgia plástica para se sentirem melhor”, revela Richter.