A grande maioria das esponjas de maquilhagem, usadas para aplicar produtos como rímel ou lip gloss, está contaminada com superbactérias potencialmente fatais, revelou uma nova investigação levada a cabo por especialistas da Universidade Aston, no Reino Unido.

Publicado na revista Journal of Applied Microbiology, o estudo mostra que os produtos de maquilhagem usados ​​todos os dias por milhões de pessoas estão contaminados com bactérias como E.coli e Staphylococci, causadoras de doenças que podem variar de infeções de pele a envenenamento de sangue e isto porque a maioria não está a ser limpa e é usada muito além do prazo de validade.

De acordo com a investigação, liderada por Amreen Bashir e Peter Lambert, da Escola de Ciências da Vida e Saúde da Universidade de Aston, e que é o primeiro trabalho a analisar as ‘blenders’ (esponjas de maquilhagem), muito populares, as bactérias foram encontradas em nove em cada dez dos produtos avaliados no Reino Unido.

Um risco que é ainda maior para as pessoas com o sistema imunitário comprometido, que têm maior probabilidade de contrair infeções por bactérias oportunistas.

Foi nas esponjas, usadas para aplicar produtos de base para a pele, mas cuja grande maioria (93%) nunca tinha sido limpa, apesar de mais de dois terços (64%) cair ao chão em algum momento durante o uso, que foram encontrados os níveis mais altos de bactérias potencialmente nocivas.

Os riscos da maquilhagem

Frequentemente divulgado por celebridades, estima-se que se tenham vendido mais de 6,5 milhões destas esponjas em todo o mundo. Produtos que, segundo os investigadores da Aston, são particularmente suscetíveis à contaminação, pois geralmente são húmidos após o uso, o que cria um ambiente ideal para bactérias nocivas.

As descobertas revelam que os consumidores estão a colocar-se inconscientemente em risco e que os fabricantes e órgãos reguladores devem fazer mais para proteger os seus clientes, tornando as datas de validade e os requisitos de limpeza com maior destaque nas embalagens.

As orientações da União Europeia definem padrões rígidos de higiene e de fabrico para os produtos de maquilhagem, mas existe atualmente uma proteção limitada do consumidor quanto aos riscos de contaminação de produtos durante o seu uso.

Amreen Bashir considera que “as más práticas de higiene dos consumidores, quando se trata de usar maquilhagem, sobretudo blenders, são muito preocupantes quando se considera que encontramos bactérias como a E.coli, que está ligada às fezes, nos produtos que testamos”.

“É necessário fazer mais para ajudar a educar os consumidores e o setor de maquilhagem como um todo sobre a necessidade de lavar estas esponjas regularmente e secá-las completamente, bem como os riscos de usar a maquilhagem além do prazo de validade.”