A Páscoa é uma época de recomeço, de partilha, mas também de comida. A tradição assim obriga, a mesma que pede uma mesa recheada de salgados e doces, entre o folar, o pão de ló, os ovos de chocolate ou as amêndoas. Mas e se pudesse conciliar tradição com saúde? É o site Nutrimento, do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, da Direção-Geral da Saúde, que o garante.  

A receita é simples. Primeiro, há que começar as refeições com uma sopa de hortícolas, que só tem vantagens. De acordo com os especialistas, “aumenta o volume gástrico, inibe o consumo inicial de aperitivos, hidrata, fornece vitaminas e minerais e favorece a digestão”.

O chocolate, quase inevitavelmente, faz parte da ementa. Se não conseguir evitar, prefira as variedades com maior teor de cacau e misture chocolate com fruta, reduzindo o valor energético aquilo que come.

Doces da Páscoa há muitos. Procure consumi-los no fim das refeições, depois da fruta. Quanto às amêndoas cobertas de açúcar, outra inevitabilidade pascal, evite consumi-las ao longo do dia de forma isolada, o que previne os picos de glicemia e preserva os órgãos que têm de lidar com quantidades elevadas de açúcar no sangue.

A boa notícia é que pode sempre consumir amêndoas, desde que não as mergulhe em chocolate ou qualquer outro doce. É a sua composição nutricional que as torna nutricionalmente interessantes, uma vez que são fonte de diversas vitaminas e minerais, fibra, magnésio, vitamina E e gorduras monoinsaturadas.