Em 2018, o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) atendeu 1.393.594 chamadas de emergência, cerca de 3.818 chamadas por dia, qualquer coisa como 159 por hora. Face a 2017, foram mais 25.453 chamadas atendidas.

Números que correspondem a pedidos de ajuda para situações de assistência a vítimas de acidente ou doença súbita, feitos para o Número Europeu de Emergência – 112, que são atendidos em primeira linha nas Centrais de Emergência pela Polícia de Segurança Pública e Guarda Nacional Republicana e encaminhadas para os CODU do INEM quando se trata de urgências ou emergências médicas.

Milhares de meios ativados

Contas feitas, o atendimento destas chamadas deu origem à ativação de 1.323.554 meios de emergência, entre os diversos tipos de ambulância (emergência médica, socorro, suporte imediato de vida, transporte inter-hospitalar pediátrico), motas de emergência, viaturas médicas de emergência e reanimação e helicópteros.

O tipo de meio a enviar é selecionado de acordo com a situação clínica das vítimas, a proximidade do local da ocorrência e a acessibilidade ao local da ocorrência.

Os alertas do INEM

Tendo em conta o volume de chamadas, o INEM aproveita para pedir, uma vez mais, a colaboração de todos, aconselhando que, em caso de acidente ou doença súbita, liguem sempre para o 112 e informem, de forma simples e clara, qual a localização exata e, sempre que possível, com indicação de pontos de referência, o número de telefone do qual está a ligar, o tipo de situação (doença, acidente, parto, entre outros), o número, o sexo e a idade aparente das pessoas a necessitar de socorro e as queixas principais e as alterações que observa.

O funcionamento dos CODU é assegurado 24 horas por dia, por equipas de profissionais qualificados, pelo que as questões por estes colocadas, sejam eles médicos, técnicos de emergência pré-hospitalar e psicólogos, são muito importantes para a atuação do INEM.

É graças a elas que se determina qual o tipo de emergência e o meio de socorro mais adequado para dar resposta à situação.

O INEM reforça também que os meios de emergência médica pré-hospitalar devem ser apenas utilizados em situações de emergência, ou seja, situações onde exista perigo de vida iminente.

No caso de não ser necessário enviar uma ambulância ou qualquer outro meio de emergência, as chamadas são encaminhadas para a Linha do Centro de Contacto do SNS24, que procederá ao aconselhamento adequado à situação.