Plano da OMS quer melhorar cuidados com epilepsia e reduzir estigma

epilepsia

Os Membros da Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovaram o Plano de Ação Global Intersetorial sobre Epilepsia e Outros Distúrbios Neurológicos (IGAP), na 75ª Assembleia Mundial da Saúde em Genebra, Suíça, que inclui duas metas globais específicas para esta doença a alcançar até 2031: ter uma cobertura de serviço para a doença aumentado em 50% face à cobertura atual em 2021 e que 80% dos países tenham ou atualizem a legislação com o objetivo de promover e proteger os direitos humanos das pessoas com este distúrbio.

A epilepsia afeta pessoas de todas as idades, géneros, raças e níveis de rendimento e, em muitas regiões do mundo, estas pessoas e as suas famílias continuam a ser vítimas de estigma e discriminação devido à ignorância, equívocos e atitudes negativas à volta da doença. O que provoca dificuldades na educação, emprego, casamento e reprodução.

O risco de morte prematura nestes doentes é três vezes maior do que na população em geral e entre as causas importantes de morte e lesões estão as mortes súbitas inesperadas, estado de mal epilético, queimaduras, afogamento e suicídio.

O IGAP, agora aprovado, irá abordar os desafios e lacunas na prestação de cuidados e serviços para pessoas com epilepsia e outros distúrbios neurológicos que existem em todo o mundo e garantirá uma resposta abrangente e coordenada entre os setores.

“A Liga Internacional contra a Epilepsia (ILAE) agradece a atenção às necessidades das pessoas com este distúrbio por parte da OMS, bem como aos Estados que apoiam a sua aprovação”, refere em comunicado J. Helen Cross, presidente da ILAE.

A ILAE desenvolveu uma cascata de ações como parte do roteiro para apoiar a expansão urgentemente necessária dos serviços de saúde e cuidados para pessoas com esta doença. Pretende-se, até 2031, que:

  • 90% das pessoas com epilepsia estejam cientes do seu diagnóstico como um distúrbio cerebral tratável;
  • 80% das pessoas tenham acesso a medicamentos anticonvulsivantes acessíveis, apropriados e seguros;
  • 70% das pessoas que recebem tratamento atinjam o controlo adequado das crises.

“Estamos ansiosos para trabalhar com todos os parceiros para atingir as metas do IGAP, que melhorarão os cuidados e a qualidade de vida das pessoas com epilepsia e das suas famílias”, diz Julie Hall, Diretora Executiva da ILAE.

As lacunas da epilepsia no mundo

Aproximadamente 70% das pessoas com esta doença podem ficar livres de crises com o tratamento. No entanto, existem lacunas em todos os países do mundo.

As pessoas com este distúrbio e suas famílias são estigmatizadas e discriminadas como resultado dos equívocos e atitudes negativas que cercam a doença, o que leva a violações de direitos humanos e exclusão social. Em alguns contextos, as crianças com epilepsia podem não ser autorizadas a frequentar a escola; os adultos podem não ser capazes de encontrar um emprego adequado ou de se casar.

A epilepsia pode ser secundária a outras condições neurológicas, como acidente vascular cerebral ou lesão cerebral traumática. Também pode ocorrer juntamente com outras condições; por exemplo, 19% das pessoas com epilepsia também têm enxaqueca e cerca de 26% dos adultos com epilepsia têm deficiência intelectual.

Posts relacionados