São vários os estudos que sugerem que o timbre da nossa voz contém informações sobre o nosso humor. Partindo desta premissa, investigadores da Universidade de Alberta, no Canadá, garantem que os algoritmos de inteligência artificial conseguem detetar com mais precisão quem sofre de depressão, usando apenas o som da voz.

Mashrura Tasnim e Eleni Stroulia, do Departamento de Ciência da Computação daquela instituição, desenvolveram uma metodologia que combina vários algoritmos de inteligência artificial, para reconhecer a depressão com mais precisão usando os sinais acústicos.

O objetivo final, explica Stroulia, é desenvolver aplicações significativas a partir desta tecnologia.

“Um cenário realista é que as pessoas usem uma ‘app’, que irá recolher amostras de voz enquanto falam naturalmente. A aplicação, executada no telefone do utilizador, reconhecerá e rastreará indicadores de humor, como a depressão, ao longo do tempo”, refere a especialista.

“Assim como tem um contador de passos no telefone,  pode ter um indicador de depressão baseado na sua voz enquanto usa o telefone.”

Dois em cada dez portugueses com depressão

De acordo com os dados da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental, a depressão afeta cerca de 20% da população portuguesa e é considerada a principal causa de incapacidade e a segunda de perda de anos de vida saudáveis. 

Em média, o início dos sintomas de doença mental surge aos 22 anos, passando 2,3 anos, também em média, entre o início dos sintomas e a primeira consulta de especialidade.

Números que justificam a importância desta ferramenta, que pode ser útil para apoiar o trabalho dos prestadores de cuidados ou para ajudar as pessoas a refletirem sobre os seus próprios humores ao longo do tempo. “Este trabalho é apenas o primeiro passo”, acrescenta Stroulia.