E se, para além dos avisos sobre os malefícios do tabaco impressos nas embalagens de maços de tabaco, estes estivessem também individualmente nos cigarros? Um exagero, poderão pensar muitos. Mas para os investigadores da Universidade de Stirling, na Escócia, estes alertas podem desempenhar um papel fundamental na redução do tabagismo.

Especialistas do Instituto de Marketing Social de Stirling examinaram as perceções dos fumadores sobre o aviso ‘Fumar mata’ em cigarros individuais, por oposição à mensagem que só aparece nas embalagens.

A equipa, liderada por Crawford Moodie, descobriu que os fumadores acham que esta abordagem inovadora tem o potencial de desencorajar o fumo entre jovens, aqueles que estão a começar a fumar e os que não fumam.

De acordo com os participantes, um aviso em cada cigarro prolongaria a mensagem de saúde, pois seria visível quando retirados de um maço, acesos ou deixados num cinzeiro, dificultando o comportamento de fumar, que é evitável.

Para os outros, a visibilidade do aviso foi vista como desagradável, uma vez que estava associada a uma imagem negativa. Dentro de vários grupos femininos, os avisos foram vistos como deprimentes, preocupantes e assustadores, sugerindo que as pessoas não se sentiriam bem a fumar por exibirem aquele aviso.

Cigarros com avisos vistos como incentivo

O estudo analisou a opinião de 120 fumadores, com 16 ou mais anos, organizados em 20 grupos, durante o ano de 2015. Dentro de cada grupo, os participantes sentiram que os avisos nos cigarros teriam um impacto potencial sobre eles ou sobre outros.

“O consenso era de que cigarros individuais com avisos seriam desagradáveis ​​para os jovens, aqueles que começaram a fumar e os não fumadores”, referiu Moodie.

“Este estudo sugere que a introdução de tais avisos poderia impactar a tomada de decisão. Isso mostra que é uma opção política viável e que, pela primeira vez, estenderia as mensagens de saúde à experiência de consumo.”

Linda Bauld, especialista em prevenção do Cancer Research UK, preocupa-se com o facto de serem ainda muitos os jovens que fumam. “As campanhas antitabagismo e o aumento dos impostos sobre os cigarros continuam a ser os métodos mais eficazes para impedir que os jovens comecem a fumar, mas precisamos de continuar a explorar formas inovadoras de os impedir, para garantir que as taxas de fumadores juvenis passem a cair.”

“Este estudo mostra que táticas, como tornar os cigarros desagradáveis, ​​podem ser uma maneira eficaz de fazer isso.”