Os otimistas vivem mais do que os pessimistas e têm um risco menor de doença crónica, algo que já foi validado por vários estudos. A novidade agora é que por detrás desta vida mais longa e saudável pode estar o facto de dormirem melhor: esta é a descoberta central de um estudo, liderado por especialista da Universidade de Viena, na Áustria.

Ao analisar os dados de uma investigação online, de 2017, sobre as características gerais do sono e outros fatores, como a situação e os comportamentos das pessoas antes de irem para a cama, em que participaram 1.004 austríacos, os epidemiologistas da MedUni Vienna descobriram que a probabilidade de sofrer de distúrbios do sono e/ou insónia foi cerca de 70% menor entre os participantes mais otimistas do que entre os que tendiam ao pessimismo.

“Outros estudos mostraram que os otimistas fazem mais exercício, fumam menos e seguem uma dieta mais saudável. Além disso, têm melhores estratégias para lidar com problemas e sentem menos stress em situações desafiadoras. Todos estes fatores podem contribuir para uma melhor qualidade do sono”, explica Jakob Weitzer, um dos autores do estudo.

Exercícios para se tornar otimista

Se tem tendência para o pessimismo, saiba que o otimismo pode ser cultivado através de vários exercícios. É pelo menos isso que garantem os autores deste estudo.

Um desses exercícios é o chamado método “Melhor possível”. De acordo com Weitzer, “isso envolve tentar imaginar um ideal e escrever como a melhor vida possível pode ser no futuro. Após várias semanas de prática regular, pode ajudar a aumentar o nível de otimismo de um indivíduo”.

Não se trata tanto de alcançar esse “ideal”, mas de refletir sobre ele, para ajudar a estabelecer metas realistas para um futuro otimista.

No entanto, ainda não é certo se o aumento de otimismo alcançado através destes exercícios possa promover um melhor sono e uma melhor saúde, enfatiza Weitzer. Caso isso ocorra (e isso teria de ser investigado em estudos posteriores), o “treino para otimismo” pode reduzir a prevalência de distúrbios do sono e outros problemas de saúde na população.