A procura por cuidados de saúde virtuais aumentou, e muito, durante a pandemia e, através da telemedicina, são muitos os doentes que podem ter uma consulta sem abdicar do conforto e segurança das suas casas. Segundo os dermatologistas da Academia Americana de Dermatologia, mesmo depois do fim da pandemia, a conveniência e eficiência das consultas virtuais podem bem ditar que estas tenham vindo para ficar.

“A telemedicina é uma forma de as pessoas se ligarem ao seu médico, sobretudo no caso das famílias mais ocupadas, das pessoas com horários de trabalho exigentes ou que vivem em áreas remotas”, refere a dermatologista Jennifer David.

“No entanto, assim como uma pessoa se prepararia para uma consulta médica presencial, é importante perder alguns minutos a preparar-se para uma consulta virtual, para que esta seja o mais valiosa e útil possível.”

Para que assim seja, a médica sugere que, antes da consulta, se reúnam as informações médicas essenciais, o que é sobretudo importante se a consulta for com um médico que se está a ver pela primeira vez. Saber o seu histórico de saúde irá ajudá-lo a fazer um diagnóstico, decidir sobre as opções de tratamento e prescrever medicamentos, se necessário. 

É importante também, antes da consulta, fazer uma lista dos medicamentos que toma, das doenças graves que teve ou cirurgias que já fez, de problemas de saúde anteriores, anotar quando começaram os sintomas, se tem alergias, problemas de saúde ou doenças de familiares, como cancro, doenças cardíacas ou diabetes.

Porque a telemedicina pode significar uma consulta de vídeo ou uma chamada telefónica, deve, por isso, confirmar qual das duas se vai realizar. No caso da primeira, deverá receber um link para se poder ligar no momento da consulta; se for telefónica, as instruções serão sobre quando esperar uma chamada do médico.

Deve escrever todas as perguntas que possa ter, assim como as dúvidas, o que ajudará a lembrar-se de tudo o que planeia falar com o médico e a aproveitar ao máximo a consulta.

Consulta de telemedicina à pele

Se o problema que motiva a ida ao médico for na pele, cabelo ou unhas, tire fotografias nítidas da(s) área(s) a examinar. Independentemente da forma como a sua consulta virtual for realizada (vídeo, telefone), pode ser muito útil enviar fotos da sua pele ao médico. 

No caso de ter de o fazer, certifique-se que a iluminação é suficiente e, sempre que possível, tire fotos com luz natural. 

Tire várias, incluindo uma de cada lado da(s) área(s) que precisa que seja examinada. E tire também fotos para comparar. Por exemplo, se tem uma mancha na mão, tire fotografias de ambas as mãos, para que o médico possa ver como essa área costuma estar.

Finalmente, no momento da consulta, procure um espaço sossegado e privado, certificando-se que se pode ligar à Internet.

“Embora a telemedicina nem sempre possa substituir uma visita ao dermatologista, pode ajudar nos momentos em que não é possível ir ao consultório”, reforça a especialista. “Depois da sua consulta, dependendo do seu problema, o dermatologista pode agendar outra visita, presencial ou de telemedicina, para avaliar a progressão do problema.”