A maioria da população sabe que a diabetes é uma doença crónica, que precisa de ser controlada, até para evitar diversas complicações, entre elas, complicações cardiovasculares, as mais frequentemente faladas, e cujo risco de virem a acontecer é duas vezes superior na pessoa com diabetes tipo 2 em comparação com a população não diabética. Contudo, e menos associada como uma complicação da diabetes, encontra-se a doença renal que, estima-se, possa afetar 30% a 40% das pessoas com diabetes.

E a diabetes constitui também a principal causa de doença renal crónica. Assim, o Dia Mundial da Diabetes, assinalado a 14 de novembro, é uma oportunidade para relembrar a importância de controlar a doença, particularmente numa altura de pandemia, em que muitas pessoas com diabetes deixaram de ter um acompanhamento presencial.

No caso da doença renal crónica, Rita Birne, nefrologista, adianta que, para evitar ou minimizar o aparecimento dos problemas renais, as pessoas com diabetes devem “controlar a glicemia da forma mais adequada, o que exige, para além de medicamentos ou insulina, a redução do excesso de peso, disciplina alimentar e realização de exercício físico regular”, além de “controlar de forma rigorosa a hipertensão e parar de fumar”.

No caso em que as duas doenças já estão presentes, “o melhor controlo da diabetes irá minimizar as lesões que a glicemia em excesso no sangue, produz em vários órgãos, nomeadamente no rim”.

No que respeita às complicações cardiovasculares, Sara Gonçalves, cardiologista, refere que “as pessoas com diabetes e a população em geral estão, de alguma forma, cientes do risco aumentado de doença coronária/enfarte agudo do miocárdio, do risco de algumas complicações microvasculares, nomeadamente retinopatia e nefropatia diabética (problemas oculares e renais), mas a associação entre a diabetes e a insuficiência cardíaca é ainda desconhecida da maior parte das pessoas com diabetes e raramente identificada como uma potencial complicação”.

Uma realidade partilhada pelos clínicos. “Mesmo dentro da comunidade médica, é uma complicação para a qual nem todos os colegas e especialidades estão alertas e que nem sempre é abordada nas consultas de diabetes”, acrescenta a especialista.

Chamar a atenção para as relações perigosas que se estabelecem entre a diabetes e várias doenças, nomeadamente, renais e cardiovasculares, é o que se pretende com os quatro episódios da série “O Casal”, onde duas personagens, a Maria Diabetes e o Zé Coração, personificam esta relação.