Os sinais precoces de suscetibilidade à diabetes tipo 2 na vida adulta podem ser vistos em crianças a partir dos oito anos, décadas antes de diagnóstico, revela um novo estudo publicado na revista científica Diabetes Care.

A investigação acompanhou mais de 4.000 participantes num estudo de saúde da Universidade de Bristol, do início dos anos 90 e combinou informações genéticas com uma abordagem chamada ‘metabolómica’, que envolve a medição de muitas moléculas pequenas numa amostra de sangue, para tentar identificar padrões específicos dos estágios iniciais do desenvolvimento da doença.

Joshua Bell, um dos investigadores principais, explica que se sabia “que a diabetes não se desenvolve da noite para o dia. O que não sabíamos é quão cedo na vida os primeiros sinais de atividade da doença se tornam visíveis e como são esses primeiros sinais”.

“A diabetes é mais comum em idades mais avançadas, mas vemos sinais de suscetibilidade a doenças muito cedo – cerca de 50 anos antes de geralmente ser diagnosticada. Saber como são esses primeiros sinais aumenta a nossa janela de oportunidade para intervir muito mais cedo e parar a diabetes antes que se torne prejudicial”, acrescenta.

Descobertas importantes para prevenção da diabetes

O estudo foi realizado entre jovens sem diabetes tipo 2 e outras doenças crónicas, para ver o quão cedo na vida os efeitos de ser mais suscetível se tornam visíveis.

“Estas descobertas ajudam a revelar a biologia de como a doença se desenvolve e quais as características que podem ser visadas muito antes para prevenir o aparecimento da doença e as suas complicações. Isso é importante, porque sabemos que os efeitos nocivos da glicose no sangue, como as doenças cardíacas, não são exclusivos das pessoas com diabetes diagnosticada, mas estendem-se, em menor grau, a grande parte da população”.