INEM transportou, em média, 162 casos suspeitos de COVID-19 por dia

INEM

Desde o início de março e até ao dia 17 de maio, o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) transportou 12.643 utentes suspeitos de infeção por COVID-19. Nestes 78 dias de atividade pandémica no País foi feita uma média de 162 transportes diários.

Com a passagem para a Fase de Mitigação no plano de resposta da Direção-Geral da Saúde à COVID-19, qualquer situação de falta de ar (dispneia) triada pelos Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) é considerada suspeita de COVID-19, obrigando os profissionais de emergência médica pré-hospitalares a cuidados redobrados, reforça o INEM.

Todos estes transportes obrigaram a que os operacionais das ambulâncias utilizassem o equipamento de proteção individual adequado à situação clínica do utente e adaptassem os procedimentos técnicos a instituir aos utentes assistidos.

Ao mesmo tempo, tornou-se obrigatória uma desinfeção cuidada das ambulâncias e dos equipamentos, algumas das quais feitas em colaboração com a Guarda Nacional Republicana, Forças Armadas e outros Agentes de Proteção Civil.

INEM fez milhares de recolhas de amostras 

Desde 10 de março que o INEM disponibiliza equipas de enfermagem para recolha de amostras biológicas em domicílios, lares ou outras instituições que, fizeram, até à data, 7.497 recolhas de amostras para análise.

Equipas mobilizadas com o objetivo de diminuir a necessidade de transporte de utentes para os hospitais, diminuindo a probabilidade de novos contágios e retirando pressão às unidades hospitalares. No caso de não necessitarem de cuidados médicos hospitalares, os utentes podem ficar em casa, em isolamento profilático, e são posteriormente contactados pelas autoridades de saúde para os informar do resultado da análise recolhida.

O INEM alocou ainda aos aeroportos continentais equipas para monitorizar e avaliar casos suspeitos COVID-19 entre os passageiros nas chegadas. Ao todo, desde 20 de março e até 10 de maio, foram monitorizados 1.598 passageiros, tendo sido detetados 10 casos suspeitos.

Foram igualmente controlados pelos trabalhadores do INEM 1.916 passageiros do navio cruzeiro MSC Fantasia, aportado em Lisboa, não tendo sido detetado qualquer caso suspeito.

O INEM operacionalizou adicionalmente estruturas de apoio para unidade hospitalares, tendo montado tendas de triagem nos Hospitais de São João no Porto e Dona Estefânia em Lisboa e auxiliou na montagem de um hospital de campanha em Ovar.

Dezoito trabalhadores com teste positivo

Desde o início da pandemia, 18 trabalhadores e colaboradores do INEM testaram positivo para a COVID-19, tendo sido acompanhados pela Comissão de Prevenção e Controlo de Infeção e de Resistência aos Antimicrobianos do INEM 263 trabalhadores e colaboradores da instituição.

Posts relacionados