Para algumas crianças, uma fralda molhada é motivo para choro, birras e queixas. Mas há bebés a quem o transporte da carga molhada nada parece incomodar. O problema é que, quando usada durante muito tempo, uma fralda molhada pode causar erupções cutâneas dolorosas e bebés – e pais – infelizes. Atentos a esta questão, investigadores do MIT criaram uma fralda ‘inteligente’, que alerta quando está molhada.

Dela consta um sensor de humidade que, na presença desta, envia um sinal para um recetor próximo, que por sua vez pode enviar uma notificação para um smartphone ou computador.

O sensor consiste em uma etiqueta de identificação por radiofrequência passiva (RFID), colocada sob uma camada de polímero super absorvente e que, quando molhado, expande e se torna levemente condutor, ou pelo menos o suficiente para acionar a etiqueta RFID e enviar um sinal de rádio para um leitor de RFID a até um metro de distância. Tudo isto com um custo baixo.

Além da vantagem óbvia, este tipo de fralda pode ajudar a registar e identificar certos problemas de saúde, como sinais de constipação ou incontinência, podendo ser especialmente útil para enfermeiras que trabalham em unidades neonatais e cuidam de vários bebés ao mesmo tempo.

Pankhuri Sen, assistente de investigação no Laboratório de AutoID do MIT, prevê que o sensor também possa ser integrado nas fraldas para adultos, para doentes que podem não perceber ou ter vergonha de informar que é necessária uma mudança.

“As fraldas são usadas não apenas nos bebés, mas também no envelhecimento da população ou em doentes acamados e incapazes de cuidares de si mesmos”, refere o cientista.

“Seria conveniente, nesses casos, que um profissional de saúde fosse notificado de que um doente precisa de ser mudado”, o que pode “evitar erupções cutâneas e algumas infeções, por exemplo do trato urinário, tanto no envelhecimento como na população infantil”, acrescenta Sai Nithin R. Kantareddy, estudante do Departamento de Engenharia Mecânica do MIT.

Inovação mais barata

Muitas fraldas descartáveis já incorporam indicadores de humidade, tiras impressas na parte externa, que mudam de cor quando molhadas. Um design que geralmente requer a remoção de várias camadas de roupa até que possa ser vista.

As empresas apostadas na tecnologia de fraldas inteligentes estão a considerar a colocação de sensores de humidade sem fio ou habilitados para Bluetooth, mas as etiquetas RFID, usadas pelo MIT, têm a vantagem de ser baratas e descartáveis ​​e poderem ser impressas em rolos de adesivos individuais, semelhantes às etiquetas de código de barras.