Dos 700 mil asmáticos que vivem com a doença em Portugal, cerca de 35 mil sofrem com asma grave, uma patologia que limita os seus gestos e condiciona as suas vidas. Mas até que ponto? E em que medida pode o sistema de saúde melhorar ou inovar para dar uma resposta mais eficaz a estes doentes?

Estas e outras questões, serão debatidas, no próximo dia 6 de dezembro, pelas 16h30m, na Fundação Oriente, em Lisboa, no evento ‘Viver sem Fôlego’, uma iniciativa da AstraZeneca no âmbito do seu programa Precision.

Um encontro que contará, no início, com a exibição de um documentário internacional, que apresenta testemunhos reais de pessoas que vivem com asma grave, que nele partilham os desafios que enfrentam todos os dias, as suas angústias, mas também as suas vitórias.

Conhecer a realidade dos doentes com asma grave

A asma grave tem um forte impacto no quotidiano de quem vive com esta doença. Tarefas simples podem revelar-se verdadeiros desafios e o medo de complicações, como constipações ou infeções respiratórias graves, é uma constante.

É, por isso, importante não só conhecer a realidade destes doentes e o seu dia-a-dia, mas também discutir formas de aumentar a sua qualidade de vida, que pode passar por um acompanhamento e tratamento mais personalizados.

No seguimento destas ideias, e após a apresentação do contexto nacional, a cargo de João Fonseca, especialista em Imunoalergologia e investigador do CINTESIS, o evento contará com a discussão sobre os ‘desafios e oportunidades para o sistema de saúde’, num painel que contará com a presença de membros da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica, Sociedade Portuguesa de Pneumologia e da Associação Portuguesa de Asmáticos.

Dirigido ao público em geral e a profissionais de saúde, o evento tem entrada gratuita, mediante inscrição em viversemfolego.eventbrite.pt.