Quais os passos que as startups portuguesas na área da biotecnologia devem dar, para atingir o sucesso? A resposta será dada a 16 e 17 de outubro, em Braga, no Healthcare Business Summit, um evento onde, ao longo de dois dias, oito das mais inovadoras empresas portuguesas estarão em destaque, podendo apresentar-se a uma plateia de especialistas internacionais e de potenciais investidores.

Organizado pela P-Bio, Associação Portuguesa de Bioindústrias e pelo INL – International Iberian Nanotechnology Laboratory, o encontro vai contar com a presença da Scanbalt, representante das empresas de biotecnologia da Escandinávia e Países Bálticos, a quem caberá a missão de apresentar ‘case studies’ de um dos ecossistemas mais avançados do mundo, em termos de ciências vivas.

“A biotecnologia portuguesa está hoje recheada de casos de sucesso e mais forte do que nunca, mas há ainda muito espaço para crescer e consideramos que é na aprendizagem com ecossistemas de referência como o da Scanbalt que está o ganho”, afirma Simão Soares, presidente da P-BIO.

Partilha de experiências em biotecnologia

No primeiro dia da Healthcare Business Summit, que inclui uma visita ao Centro Clínico Académico 2CA-Braga e o jantar de comemoração dos 20 anos da P-Bio, terá lugar uma sessão com a participação de Margarida Menezes Ferreira, do Infarmed e Natalie Natalie Schmidt, da Pfizer, sobre o tema ‘Principais aspetos e marcos para uma validação científica e clínica bem-sucedida’.

No dia 17 de outubro, o programa será mais extenso e inclui a partilha de experiências e boas práticas por parte de empresas portuguesas (como a Nano 4, Coimbra Genomics e Ophiomics), escandinavas e bálticas.

O evento contará, ainda, com as intervenções de Bruno Wohlschlegel, da Merck; Jaanus Pikani, da Scanbalt; Simão Soares, da P-BIO e Rita Marques, da Portugal Ventures.