Vacinas contra a COVID-19 terão evitado 20 milhões de mortes em todo o mundo num ano

vacinas

As vacinas contra a COVID-19 reduziram o número potencial de mortes globais durante a pandemia em mais de metade no ano seguinte à sua implementação, revela um estudo de modelagem matemática publicado na revista The Lancet Infectious Diseases. O que significa que, no primeiro ano do programa de vacinação, 19,8 milhões de um potencial de 31,4 milhões de mortes por COVID-19 foram evitadas em todo o mundo.

O estudo estima que mais 599.300 vidas poderiam ter sido ainda salvas se a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de vacinar 40% da população de cada país com duas ou mais doses até ao fim de 2021 tivesse sido atingida.

Oliver Watson, principal autor do estudo, especialista do Imperial College London, considera que estas “descobertas oferecem a avaliação mais completa até ao momento do notável impacto global que a vacinação teve na pandemia de COVID-19”.

De acordo com o investigador, “das quase 20 milhões de mortes que se estima terem sido evitadas no primeiro ano após a introdução das vacinas, quase 7,5 milhões foram evitadas em países cobertos pela iniciativa COVID-19 Vaccine Access (COVAX). Esta iniciativa foi criada porque ficou claro, desde o início, que a equidade global da vacina seria a única saída para a pandemia. As nossas descobertas mostram que milhões de vidas provavelmente foram salvas ao disponibilizar vacinas para pessoas em todos os lugares, independentemente da sua riqueza”.

No entanto, garante, “mais poderia ter sido feito”.

Se as metas estabelecidas pela OMS tivessem sido alcançadas, estimamos que cerca de 1 em cada 5 das vidas estimadas perdidas devido à COVID-19 em países com rendimentos mais baixos poderiam ter sido evitadas.”

Metas de vacinação por cumprir

Desde que a primeira vacina contra a COVID-19 foi administrada fora de um ambiente de ensaio clínico, a 8 de dezembro de 2020, quase dois terços da população mundial recebeu pelo menos uma dose da vacina (66%).

A COVAX facilitou o acesso da vacinas a países com rendimentos mais baixos para tentar reduzir as desigualdades, com uma meta inicial de inocular com duas doses de vacina 20% da população nos países abrangidos pelo compromisso até ao fim de 2021.

A Organização Mundial da Saúde ampliou essa meta, estabelecendo uma estratégia global para vacinar totalmente 70% da população mundial até meados de 2022, com um objetivo provisório de vacinação de 40% da população de todos os países até ao fim de 2021.

Apesar da incrível velocidade do lançamento da vacina em todo o mundo, mais de 3,5 milhões de mortes por COVID-19 foram relatadas desde que a primeira vacina foi administrada em dezembro de 2020.

Vários estudos têm procurado estimar o impacto da vacinação no curso da pandemia. Estudos que se concentraram em regiões específicas, como países, estados ou cidades individuais, sendo este o primeiro a estimar o impacto da vacinação a uma escala global e o primeiro a avaliar o número de mortes evitadas direta e indiretamente.

Gregory Barnsley, coautor do estudo, do Imperial College London, refere que “quantificar o impacto que a vacinação causou globalmente é um desafio, porque o acesso às vacinas varia entre os países, assim como a nossa compreensão de quais as variantes da COVID-19 que estão a circular, com dados de sequenciação genética muito limitados disponíveis para muitos países. Também não é possível medir diretamente quantas mortes teriam ocorrido sem a vacinação. A modelagem matemática oferece uma ferramenta útil para avaliar cenários alternativos, que não podemos observar diretamente na vida real”.

A equipa estima que, com base nas mortes por COVID-19 registadas oficialmente, tivessem ocorrido 18,1 milhões de mortes durante o período do estudo se as vacinas não estivessem disponíveis. Destas mortes, o modelo estima que a vacinação evitou 14,4 milhões, o que representa uma redução global de 79%.

Vacinas e a proteção contra sintomas graves

Mais de três quartos (79%, 15,5 milhões/19,8 milhões) das mortes evitadas devem-se à proteção direta contra sintomas graves proporcionada pela vacinação, levando a menores taxas de mortalidade. Estima-se que as 4,3 milhões de mortes evitadas restantes o tenham sido devido à proteção indireta da transmissão reduzida do vírus na população e redução da carga sobre os sistemas de saúde, melhorando assim o acesso aos cuidados médicos para os mais necessitados.

O impacto da vacina mudou ao longo do tempo e em diferentes áreas do mundo à medida que a pandemia avançava, segundo o estudo.

No primeiro semestre de 2021, o maior número de mortes evitadas pela vacinação ocorreu em países com rendimentos mais baixos, resultado da significativa onda epidémica na Índia à medida que surgiu a variante Delta.

Posteriormente, isso mudou para um maior impacto concentrado em países mais ricos no segundo semestre de 2021, à medida que as restrições de viagens e distanciamento social foram amenizadas em algumas áreas, levando a uma maior transmissão do vírus.

Em geral, o número estimado de mortes prevenidas foi maior nos países mais ricos, o que é reflexo da implementação mais precoce e mais ampla das campanhas de vacinação nestas áreas (66 mortes evitadas por 10.000 pessoas nos países mais ricos renda versus 2.711 mortes evitadas por 10.000 pessoas nos mais pobres).

Os países com rendimentos altos e médio-altos foram responsáveis ​​pelo maior número de mortes evitadas (12,2 milhões/19,8 milhões), destacando as desigualdades no acesso às vacinas em todo o mundo.

Nos 83 países incluídos nesta análise e que integram o compromisso da COVAX, estima-se que 7,4 milhões de mortes tenham sido evitadas de um potencial de 17,9 milhões (41%). No entanto, o não cumprimento da meta da COVAX de vacinar totalmente 20% da população em alguns países pode ter resultado em 156.900 mortes adicionais.

Embora esse número represente uma pequena proporção do total de mortes globais, essas mortes evitáveis ​​estavam concentradas em 31 nações africanas, onde 132.700 mortes poderiam ter sido evitadas se a meta fosse atingida.

Da mesma forma, estima-se que o deficit na meta da OMS de vacinar totalmente 40% da população de cada país até ao final de 2021 tenha contribuído para 599.300 mortes adicionais em todo o mundo, que poderiam ter sido evitadas.

Os países de rendimentos médio-baixos foram responsáveis ​​pela maioria dessas mortes (347.500/599.300 [59,7%]). Regionalmente, a maioria dos óbitos concentrou-se nas regiões de África e do Mediterrâneo Oriental (348.900/599.300 [58,2%] e 126.800/599.300 [21,2%], respetivamente).

Se a meta de 40% tivesse sido atingida em todos os países mais pobres, o número de mortes evitadas pela vacinação nessas áreas teria mais que duplicado (200.000 mortes adicionais evitadas além das 180.300 mortes que se estima tenham sido evitadas sob as taxas atuais de vacinação ).

“O estudo demonstra o enorme benefício que as vacinas tiveram na redução global de mortes por COVID-19. Embora o foco intenso na pandemia tenha mudado, é importante garantir que as pessoas mais vulneráveis ​​em todas as partes do mundo estão protegidas da circulação contínua da COVID-19 e de outras doenças importantes que continuam a afetar desproporcionalmente os mais pobres”, refere Azra Ghani, diretor de Epidemiologia de Doenças Infecciosas do Imperial College London.

Por isso, reforça que “garantir o acesso justo às vacinas é essencial, mas requer mais do que apenas doar vacinas. São necessárias melhorias na distribuição e infraestruturas, bem como esforços coordenados para combater a desinformação sobre as vacinas e melhorar a procura. Só assim podemos garantir que todos têm a oportunidade de beneficiar dessas tecnologias que salvam vidas”.

Limitações assumidas

Os autores observam várias limitações nas suas descobertas: o seu modelo é baseado em várias suposições necessárias, incluindo as proporções precisas sobre quais os tipos de vacina foram distribuídos, como foi feita essa distribuição e o momento preciso em que as novas variantes de vírus chegaram a cada país.

Assumiram ainda que a relação entre a idade e a proporção de mortes por COVID-19 que ocorrem entre indivíduos infetados é a mesma para cada país. Por isso, estes resultados devem ser considerados no contexto da incerteza no cálculo do verdadeiro número de mortes causadas pela pandemia.

Posts relacionados