É o equilíbrio que nos impede de cair, mas ainda assim são poucos os que, revelam vários estudos, o associam à saúde. No entanto, é esta a função que previne a ocorrência de quedas, muitas das quais responsáveis por consequências irreversíveis para a saúde, sobretudo entre os mais velhos. 

De resto, de acordo com dados da Direção-Geral da Saúde, as pessoas com mais de 65 anos caem pelo menos uma vez por ano, sendo as quedas responsáveis por uma boa parte dos internamentos hospitalares, sendo consideradas o acidente doméstico mais frequente nos idosos.

E o resultado é, não raras vezes, a mobilidade reduzida ou a dependência de terceiros no que diz respeito à movimentação.

“São vários os casos que conheço em que as quedas, em idade sénior, acabam por limitar, ou travar por completo, os movimentos e deslocações diárias”, refere André Magalhães, especialista de mobilidade da Stannah.

“A principal forma de evitar este problema passa pela aposta na prevenção, através da realização de exercícios simples que fortalecem o equilíbrio, como aulas de dança, natação, pilates ou apenas vários movimentos de 30 segundos de equilíbrio em cada perna de forma alternada.”

O especialista recomenda, por isso, que “assim que forem sentidos ou diagnosticados os primeiros sinais de perda de equilíbrio em idade sénior” sejam adotadas soluções que dão apoio ao equilíbrio, como as scooters de mobilidade ou nos elevadores de escadas.

Estabilidade do corpo depende de vários sistemas

De acordo com o estudo How does the balance system work, realizado pela Academia norte-americana de Fisioterapia Neurológica, o nosso sentido de equilíbrio depende de vários sistemas que trabalham em conjunto para criar a estabilidade do corpo e visão.

Entre estes estão o sistema visual, uma vez que a visão ajuda-nos a perceber onde a cabeça e o corpo estão em relação ao espaço que nos rodeia, o muscular, com os tendões e articulações que ajudam o cérebro a saber como os pés e pernas são comparados com o corpo e os ombros e o sistema sensorial do nosso ouvido interno, responsável por informar o cérebro sobre os movimentos e posição da cabeça.