Não sabem para que serve a próstata e desconhecem quais os sintomas de que nem tudo vai bem com este órgão masculino. Um inquérito feito a mais de 3.000 homens europeus dá conta de uma falta de conhecimento generalizada, que contribui para atrasos no diagnóstico de doenças da próstata.

Feito a pedido da Associação Europeia de Urologia (AEU), o estudo foi realizado junto de homens com mais de 50 anos, oriundos do Reino Unido, Alemanha e França e verificou que apenas um em cada quatro (26%) com mais de 50 anos é capaz de identificar corretamente a principal função da próstata.

Mas revelou mais, sobretudo equívocos à volta da saúde da próstata e, em particular, da próstata aumentada, situação conhecida como hiperplasia benigna da próstata, com apenas 38% dos entrevistados a serem capazes de identificar corretamente este problema. Isto apesar de, aos 60 anos ou mais, 40% dos homens sofrerem do aumento da próstata.

Resultados “preocupantes”

Uma próstata saudável é do tamanho de uma noz e a sua principal função é produzir líquido prostático para transportar o esperma. Embora cresça lentamente à medida que os homens envelhecem, apenas um em cada seis (17%) entrevistados afirmou corretamente que os sintomas relacionados com um aumento da próstata não são um sinal “normal” do envelhecimento.

Hein Van Poppel, secretário-geral adjunto da AEU, considera estes resultados “preocupantes, especialmente porque o inquérito visou homens na faixa etária com maior probabilidade de sofrer de doenças relacionadas com a próstata, como a hiperplasia ou o cancro da próstata”.

De acordo com o especialista, “a incidência destes problemas e o seu impacto na prática médica vai aumentar devido ao envelhecimento da população. Por isso, devemos garantir que os homens estão bem informados para permitir a consulta e tratamento rápidos, se necessário”.

Médicos são preferidos para informar sobre a próstata

A causa do aumento da próstata é desconhecida, mas acredita-se que possa estar associada a alterações hormonais, relacionadas com o envelhecimento.

Os indicadores mais comuns incluem a vontade súbita de urinar, uma sensação de esforço ou dor ao urinar e sentimento de que a bexiga não está completamente vazia. Sintomas que quase 50% dos homens (entre os 50 e 60 anos) não reconhecem, ainda que prejudiquem a sua qualidade de vida.

Quando questionados sobre com quem falariam se tivessem algum problema relacionado com a micção, a maioria dos entrevistados (61%) afirmou que iria ao consultório médico para obter mais informações.

Apenas um quarto dos homens (24%) especificou que iria “pesquisar no Google” os seus sintomas para obter mais informações, demonstrando que as pessoas nesta faixa etária preferem falar diretamente com os profissionais de saúde. E só 13% disseram que discutiriam os sintomas com as parceiras ou familiares para receberem mais informações.

“Investigações anteriores mostraram que as mulheres realmente sabem mais sobre os problemas de saúde dos homens do que os homens. Portanto, incentivamos os homens a discutir os seus sintomas e condições urológicos com parceiros ou familiares, bem como visitar profissionais de saúde especializados, como urologistas”, refere Van Poppel.

Existem várias opções de tratamento para uma próstata aumentada, que incluem tratamento médico, cirurgia, terapia com laser, alterações na dieta ou injeções. Metade dos entrevistados preferiu ter a opção de tratamentos diferentes, com 38% a favor da recomendação do médico (12% não tinham preferência).