Extrato de chá verde promove a saúde intestinal, confirma estudo

chá verde

O consumo de extrato de chá verde ao longo de quatro semanas pode reduzir os níveis de açúcar no sangue e melhorar a saúde intestinal, diminuindo a inflamação e diminuindo o “intestino permeável”, uma situação em que a barreira intestinal está mais permeável, o que faz com que substâncias que deveriam ser excretadas, sejam reabsorvidas, produzindo inflamação e causando danos.

Os investigadores da Universidade Estadual de Ohio, nos EUA, são os autores do que referem ser o primeiro estudo que avalia se os riscos para a saúde associados ao que é conhecido como síndrome metabólica podem ser reduzidos pelos benefícios anti-inflamatórios do chá verde no intestino.

“Há muitas evidências de que o maior consumo de chá verde está associado a bons níveis de colesterol, glicose e triglicéridos, mas nenhum estudo vinculou os seus benefícios no intestino a esses fatores de saúde”, afirma Richard Bruno, autor sénior do estudo e professor naquela instituição.

A equipa realizou um ensaio clínico com 40 pessoas, no seguimento de um estudo, feito com ratinhos de laboratório, que associava uma menor obesidade e menores riscos para a saúde naqueles que consumiram suplementos de chá verde.

No novo estudo, o extrato de chá verde também reduziu o açúcar no sangue, ou glicose, e diminuiu a inflamação e a permeabilidade do intestino em pessoas saudáveis, uma descoberta inesperada.

“O que isso nos diz é no espaço de um mês somos capazes de reduzir a glicose no sangue tanto em pessoas com síndrome metabólica quanto em pessoas saudáveis, e a redução da glicose no sangue parece estar relacionada com a diminuição do intestino permeável e a diminuição da inflamação intestinal, independentemente do estado da saúde”, refere Bruno.

Os benefícios do chá verde

As pessoas com síndrome metabólica são diagnosticadas com pelo menos três dos cinco fatores que aumentam o risco de doenças cardíacas, diabetes e outros problemas de saúde: excesso de gordura na barriga, pressão alta, baixo colesterol HDL (bom), altos níveis de glicose no sangue em jejum e triglicéridos, um tipo de gordura no sangue.

A que é complicado em relação a estes fatores de risco que nenhum chega a um nível de exigir a gestão com medicamentos. “A maioria dos médicos recomendará inicialmente a perda de peso e o exercício. Infelizmente, sabemos que a maioria das pessoas não consegue aceitar modificações no estilo de vida por vários motivos”, afirma o especialista. “O nosso trabalho visa fornecer às pessoas uma nova ferramenta baseada em alimentos para ajudar a gerir o seu risco de síndrome metabólica ou reverter a síndrome metabólica.”

Quarenta participantes, 21 com síndrome metabólica e 19 adultos saudáveis, consumiram gomas que continham extrato de chá verde rico em compostos anti-inflamatórios, as chamadas catequinas, o equivalente a cinco chávenas de chá verde diárias, durante 28 dias.

E os resultados mostram que os níveis de glicose no sangue em jejum para todos os participantes foram significativamente menores depois da toma do extrato de chá verde, em comparação com os níveis após a toma de placebo.

A diminuição da inflamação intestinal devido ao tratamento com chá verde em todos os participantes foi também confirmada, assim como a permeabilidade do intestino delgado, que diminuiu favoravelmente. Uma permeabilidade que, quanto mais elevada, vai permitir que as bactérias intestinais e compostos tóxicos entrem na corrente sanguínea, estimulando a inflamação crónica.

“Acredita-se que a absorção de produtos derivados do intestino seja um fator inicial para a obesidade e a resistência à insulina, que são centrais para todos os distúrbios cardiometabólicos”, afirma Bruno. “Se pudermos melhorar a integridade intestinal e reduzir o intestino permeável, o pensamento é que seremos capazes não apenas de aliviar a inflamação de baixo grau, que dá início aos distúrbios cardiometabólicos, mas potencialmente revertê-la.”

Posts relacionados