Depressão e ansiedade são dois problemas que afetam muitos dos doentes com Parkinson, revela um estudo realizado em Espanha. Quase 33% destes doentes têm depressão e 68% apresentam ansiedade, o que alerta para a necessidade de reforçar a atenção a este tipo de problemas.

Desenvolvido como parte do trabalho de Fany Chuquilin Arista, especialista em Psiquiatria e Medicina de Família da Universidade de Valladolid, o estudo incidiu sobre distúrbios neuropsiquiátricos, incluindo depressão e ansiedade, destacando o seu papel.

Ao todo, foram avaliados os dados referentes a 95 doentes, aos quais foram feitas várias perguntas e foram submetidos testes para reunir as suas características clínicas.

E foi graças a esta informação que foi possível confirmar que a prevalência de depressão se situou à volta dos 33%, mais frequente nas mulheres (43%) do que nos homens (25%), enquanto 68% apresentavam ansiedade, sem diferenças significativas de género.

Os especialistas destacam ainda que os sintomas depressivos e ansiosos foram encontrados ao mesmo tempo em 31% dos doentes estudados.

De acordo com o mesmo estudo, as pessoas que viviam há mais de 10 anos com a doença apresentavam um risco quase 36 vezes superior de depressão, quando comparando com aqueles que sofriam da doença há menos de três anos.

Números da doença de Parkinson estão a crescer 

A doença de Parkinson é uma doença neurodegenerativa, cuja prevalência aumenta com a idade e é mais comum nos homens do que nas mulheres. 

Os sintomas mais comuns estão relacionados com o sistema motor e incluem, entre outros, tremores, rigidez do tronco e dos membros e lentidão dos movimentos.

Estima-se que, por cá, afete qualquer coisa como 18 mil portugueses, apresentando uma tendência de crescimento, associada ao crescente envelhecimento da população.