Um estudo da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) sugere que as alterações climáticas estão a fazer com que muitas mulheres tenham gestações mais curtas do que o normal, estando na origem de partos prematuros, o que pode representar riscos para a saúde e o desenvolvimento infantil.

De acordo com uma investigação publicada na revista Nature Climate Change, as taxas de natalidade foram 5% mais altas nos dias em que as temperaturas excederam os 32 graus celsius. E, talvez mais preocupante, os nascimentos nesses dias ocorreram até duas semanas antes do previsto.

“Isso é suficiente para passado do que é considerado uma gravidez bastante saudável para uma gravidez ‘estamos um pouco preocupados'”, explica Alan Barreca, professor de Saúde Humana da UCLA e principal autor do estudo.

Os investigadores analisaram as estatísticas de nascimento e clima nos EUA entre 1969 a 1988, baseando-se sobretudo em informações de natalidade do Sistema Nacional de Estatísticas Vitais e em dados da Rede Histórica Global de Climatologia.

E estimaram que cerca de 25.000 nascimentos foram afetados por ano, ou seja, as taxas de natalidade atingiram o pico nos dias em que a temperatura excedeu os 32 graus, tendo caído com a descida das temperaturas. 

O padrão de pico e queda nas taxas de nascimento indica que o clima quente acelera os partos e diminui a duração da gravidez, refere o especialista.

Os riscos dos partos prematuros

Até 2100, o estudo estima que 42.000 nascimentos venham a ser afetados por ano, ou seja, cerca de um em cada 100.

A relação exata entre temperaturas mais altas e gestações mais curtas não é totalmente clara. Há quem justifique o com o facto de o nível de ocitocina, uma hormona envolvida no início do trabalho de parto e no decorrer do mesmo, aumentar no corpo quando está calor.

Outra possibilidade é que o calor pode estar a fazer com que as mulheres grávidas sintam um stress adicional.

O parto prematuro pode causar danos a longo prazo às crianças afetadas. Outros trabalhos revelaram que estão associados a diferenças cognitivas mais tarde na infância, embora não seja claro se isso se aplica especificamente aos partos prematuros relacionados com o calor.