Usar as apps dos smartphones para monitorizar os doentes à distância pode transformar o atendimento médico de pessoas com problemas de saúde crónicos, revela uma nova investigação realizada por cientistas da Universidade de Manchester.

O estudo, que foi feito junto de doentes com artrite reumatóide, não deixa dúvidas que a tecnologia dos smartphones pode proporcionar um melhor uso do tempo dos médicos e dos doentes, sendo depois os dados incluídos no serviço nacional de saúde.

O teste foi feito junto de 20 doentes, com uma aplicação de smartphone. Os dados diários desta app foram recolhidos e integrados juntamente com os dados do hospital e, de acordo com Will Dixon, professor da Universidade de Manchester, apesar de ter sido feito com poucas pessoas, “superou todas as expetativas”.

Smartphones ajudam a identificar novos sintomas

A aplicação, desenvolvida em conjunto por doentes, clínicos e investigadores, permitiu aos doentes apresentarem os sintomas que sentiam a cada dia e o impacto que isso causava nas suas vidas.

O sistema forneceu um “quadro maior” do que aquele que os médicos tinham, identificando “sintomas que de outra forma teriam sido perdidos”.

E os gráficos gerados pela aplicação tornaram mais fácil para os doentes participarem em consultas e tratamentos, possibilitando uma discussão partilhada entre o doentes e o seu médico.