A menstruação precoce aumenta a probabilidade de afrontamentos e suores noturnos décadas depois, na menopausa, revela um estudo da Universidade de Queensland, na Austrália.

Investigadores da Escola de Saúde Pública analisaram dados de mais de 18.000 mulheres de meia-idade em todo o Reino Unido, EUA e Austrália, como parte de uma colaboração internacional no projeto InterLACE.

Hsin-Fang Chung, da Universidade de Queensland, explica que o estudo mostrou que mulheres que tiveram a menstruação aos 11 anos ou menos apresentavam um risco 50% maior de sentirem ondas de calor e suores noturnos frequentes na menopausa, conhecidos como sintomas vasomotores.

O grupo foi comparado a outro, composto por mulheres que tiveram seu primeiro período aos 14 anos ou mais.

“O risco de as mulheres que menstruaram precocemente terem ambos os sintomas era maior do que ter afrontamentos ou suores noturnos sozinhos”, refere Chung.

De acordo com a especialista, a menstruação precoce surge associada a condições adversas de saúde mais tarde na vida, incluindo diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

Gita Mishra, líder do projeto InterLACE, afirma que a obesidade teve um papel significativo nas descobertas.

“As mulheres que tiveram uma menstruação precoce e se encontravam acima do peso ou obesas na meia-idade, apresentavam um risco duas vezes maior de afrontamentos e suores noturnos frequentes, em comparação com as mulheres que tiveram o seu primeiro período com 14 anos ou mais e tinham peso normal”, conclui.

“Estas descobertas incentivam as mulheres com menstruação precoce a envolverem-se em programas de promoção da saúde, sobretudo no que diz respeito ao controlo do peso na idade adulta”, acrescenta Mishra.