Melhorar rótulos aumenta três a cinco vezes escolha de produtos saudáveis

rótulos

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda ao Governo a adoção de um sistema de rotulagem nutricional que ajude nas melhores escolhas alimentares. Um sistema de rótulos que deve ser único e consensual para todos, seja estes cidadãos, especialistas ou partes interessadas, e possível de ser adaptado aos produtos comercializados em Portugal. E isto porque, refere a DGS, a escolha de produtos saudáveis aumenta três a cinco vezes com a adoção destes sistemas de rotulagem. 

O pedido surge na sequência da realização de um exercício, o HIA (Health Impact Assessment), desenvolvido pelo Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS), juntamente com o Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, e que teve como objetivo avaliar diferentes sistemas de rotulagem nutricional interpretativos, nomeadamente quanto à sua capacidade de contribuírem para escolhas alimentares mais informadas e saudáveis, e contribuir com evidência científica que suporte a tomada de decisão política.  

Apesar do sistema do semáforo nutricional, que é já utilizado parcialmente em Portugal, ter sido aquele onde se verificou uma maior percentagem de participantes a selecionar a opção correta, não se verificaram diferenças com significado estatístico entre os diferentes sistemas de rotulagem nutricional simplificada. 

Ou seja, todos os que foram avaliados contribuem para escolhas alimentares mais saudáveis, recomendando-se que se testem os diferentes modelos aos produtos alimentares portugueses. 

Mais ainda, os especialistas referem ainda a implementação de um programa de educação alimentar.

40% não compreendem informação nos rótulos

Não há grandes dúvidas que os consumidores têm dificuldade em interpretar a informação nutricional obrigatória que está presente nos rótulos dos produtos alimentares.

Num estudo realizado na população portuguesa, financiado pela DGS e com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS), apurou-se que 40% dos inquiridos não compreendia a informação dos rótulos.

Apesar de Portugal não ter ainda um modelo de rotulagem nutricional de caráter interpretativo, tem implementadas iniciativas para a promoção da alimentação saudável, prevenção da obesidade e de outras doenças crónicas associadas a hábitos alimentares inadequados.

Entre estas estão as medidas fiscais para modificar o consumo de alguns alimentos, assim como restrições para a publicidade alimentar dirigida a menores de 16 anos ou legislação que determina a oferta alimentar nas escolas públicas e tem desenvolvido campanhas mediáticas para a promoção da alimentação saudável.

Posts relacionados