Além da prática de exercício, uma alimentação saudável é fundamental não apenas para prevenir o AVC, mas também para a recuperação do mesmo e para a redução do risco de uma repetição. Aqui, a dieta mediterrânica  parece ter um papel importante.

A prevenção do AVC resume-se sobretudo à adoção de hábitos saudáveis ​​para o coração e ao controlo do peso, dos níveis de colesterol e da pressão arterial. Adicionar uma variedade de frutas e vegetais à sua dieta é um bom começo. Em geral, é recomendado que ingira alimentos ricos em fibras e com baixo teor de colesterol e gorduras prejudiciais à saúde (gorduras saturadas e trans), bem como limite a ingestão de sódio.

Aqui, a dieta mediterrânica é uma boa opção, sendo várias as evidências que salientam os seus benefícios para a prevenção de AVC e para a prevenção secundária.

“A dieta mediterrânica foi estudada porque muitas pessoas que viviam na região do Mediterrâneo tinham as menores incidências de doenças cardiovasculares”, explica Richard S. Jung, neurologista vascular e cirurgião da LifeBridge Health, do The Sandra e Malcolm Berman Brain & Spine Institute, nos EUA.

Mas afinal em que consiste a dieta mediterrânica? Não há uma forma específica de preparar uma refeição ao estilo mediterrânico, pois a dieta permite variedade, enfatizando o consumo de frutas frescas e vegetais, grãos saudáveis ​​(como pão integral), feijões, nozes, sementes, azeite (rico em gorduras saudáveis), quantidades moderadas de laticínios com baixo teor de gordura ou sem gordura, ovos, frutos do mar (especialmente peixes, uma fonte de nutrientes saudáveis ​​para o coração) e aves (de preferência sem pele).

Quanto ao consumo de carnes vermelhas e doces, este é, aqui, mínimo. Também incentiva o uso de ervas aromáticas e especiarias, em vez de sal e um copo de vinho tinto ocasional à refeição (se o médico entender que está tudo bem).

A dieta mediterrânica tem sido associada a inúmeros benefícios para a saúde, incluindo aqueles relacionados com a prevenção do cancro, prevenção e controle da diabetes e a saúde do coração e do cérebro, que se relaciona com o risco de AVC.

“Este é o tipo de dieta que aconselhamos os nossos doentes a tentarem seguir, a tentarem evitar os alimentos fritos e gordurosos, os alimentos ricos em carboidratos, e ter uma dieta balanceada que incorpore vegetais e frutas frescas e se concentre nos peixes. Isso parece ser muito saudável”, refere Jung.