sinais que indicam desidratação

Conhece todos os sinais de desidratação? A sede é apenas um deles

Por Bem-estar

É verdade que não nos podemos queixar de um calor abrasador, pelo menos até agora. Mas porque os termómetros ainda nos podem surpreender, nada melhor do que estar preparado. E é aqui que entra a pergunta: sabe quais são os sinais de desidratação?

Não, a sede não é o único indicador da falta de hidratação. Aliás, diz quem sabe que este é mesmo o derradeiro sinal, que surge quando a desidratação já se está a instalar. Há outros sinais, mas que tendemos a justificar com outras razões que não a falta de água.

Por exemplo, olhos secos ou lábios gretados. O ar condicionado no trabalho ou o tempo mais seco são os suspeitos do costume, mas pode bem ser que estes traduzam um pedido de ajuda do organismo.

Cabelo mais seco do que o habitual e em queda pode ser justificado por tanta coisa. E uma delas é mesmo uma desadequada hidratação, que pode também causar cansaço e indisposição. 

É que, quando o corpo perde mais água do que aquela que recebe, há uma redução da pressão arterial e do oxigénio no sangue, que passa a ser redirecionado para órgãos considerados não vitais, o que faz com que o corpo trabalhe a um ritmo mais lento.

Água e outras bebidas

Beber água é a melhor forma de dar resposta à desidratação e de a prevenir. Esta é a bebida de eleição para o verão, embora haja outras bebidas que podem ajudar a manter a hidratação.

De resto, cinco sociedades médicas espanholas (Associação Espanhola de Gastroenterologia, Sociedade Espanhola de Endocrinologia e Nutrição, Sociedade Espanhola de Médicos de Atenção Primária, Sociedade Espanhola de Medicina de Família e Comunitária e Sociedade de Patologia Digestiva) assinaram um consenso em que defendem que as “as bebidas com uma determinada quantidade de açúcares e sais minerais, corretamente utilizadas, podem ser uma ajuda importante para melhorar a reidratação e prevenir a desidratação”.

É o caso, por exemplo, da Aquarius, que apresenta uma gama de bebidas com sais minerais, vitaminas e baixas em calorias, que inclui novos sabores e se apresenta no mercado nacional, com uma campanha que tem como assinatura “A incrível sensação de te sentires cheio de pica”.

Uma aposta da Coca-Cola, que reforça o seu compromisso com a redução de açúcar, apresentando versões baixas em açúcar ou sem açúcar.

campanha incentiva ao consumo de água

Água, a mega bebida protagonista de uma campanha nacional

Por País

É uma “mega bebida”, capaz de manter o “rendimento físico em alta”, “a performance lá em cima” ou “o foco no máximo”. Uma bebida tão importante que até merece uma campanha de incentivo ao seu consumo. Consegue adivinhar qual é? A resposta é simples: a água.

E se, para alguns, beber água é simplesmente natural, ainda há quem beba pouco e quem a troque por outras bebidas.

Situação que justifica o lançamento pela Direção-Geral da Saúde (DGS), em parceria com a Associação Portuguesa dos Industriais de Águas Minerais Naturais e de Nascente, de uma campanha de comunicação.

O objetivo é “promover o consumo de água como parte integrante de uma alimentação saudável”,  lê-se no comunicado da DGS.

Isto “alinhada com o programa de saúde prioritário na área da promoção da alimentação saudável e com a Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável”.

Com o slogan “Água | A Nova Mega Bebida”, os protagonistas da campanha nacional são as figuras públicas Vanessa Oliveira, Isaac Alfaiate, Diogo Amaral e Maria Cerqueira Gomes.

Promover o consumo de água

Promover a saúde é uma das prioridades do XXI Governo Constitucional, “através de uma nova ambição para a Saúde Pública”.

Aqui, defende-se “que a obtenção de ganhos em saúde resulta da intervenção nos vários determinantes”, salientando-se como fundamental a política de promoção de uma alimentação saudável”.

Conscientes de que “a mudança de comportamentos se consegue, em grande parte, com educação”, o Governo defende uma aposta na literacia.

E, neste sentido, em campanhas nacionais de promoção de saúde pública, que se traduzem em melhores comportamentos e estilos de vida dos portugueses. Com reflexos na saúde de todos.

Bebe o suficiente?

A água representa cerca de 60-70% da composição corporal, sendo o principal constituinte celular. Encontra-se também envolvida no transporte dos nutrientes e em inúmeras reações metabólicas do organismo.

De acordo com as recomendações oficiais, os homens adultos devem ingerir 2,5 litros de água por dia. Este valor baixa para os dois litros diários no caso das mulheres.

Maioria das estâncias balneares europeias com excelente qualidade

Por Bem-estar

As temperaturas nacionais não têm propriamente servido de convite a idas a banhos, mas a boa notícia é que, quando estas permitirem os mergulhos, os banhistas terão pouco a temer no que diz respeito à poluição da água, uma vez que 85% das estâncias balneares na União Europeia (UE) apresentam uma “excelente” qualidade.

A monitorização foi feita em 2017 e agora publicada em forma de relatório, que considera que se cumprem as normas mais elevadas sobre a qualidade das águas, classificando-as como “excelentes” e, na sua maioria, isentas de poluentes.

Foram, ao todo, monitorizadas 21.801 estâncias balneares na Europa no ano passado, 21.509 das quais nos 28 Estados-Membros da UE (95,9%). E ainda que os padrões de qualidade “Excelente” tenham sofrido uma redução, está foi apenas marginal, passando de 85,5% em 2016, para 85% no ano passado.

Da mesma maneira, as estâncias que alcançaram a posição de “suficiente” caíram de 96,3% para 96,0%, resultado sobretudo da chuva de verão, assim como de uma mudança na metodologia de avaliação na Roménia e na Suécia.

Em Portugal, foram analisadas 603 estâncias balneares (480 costeiras) entre 1 de maio e 15 de outubro de 2017, tendo sido colhidas 3.801 amostras de água. Destas, 95% foram classificadas como “boas” ou “excelentes”.

“A qualidade das nossas águas balneares é motivo de orgulho para os europeus”, afirma a propósito Karmenu Vella, Comissária Europeia para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas. “Essa qualidade deve-se à boa cooperação e constante vigilância. Todos nós desempenhamos um papel: indústria, autoridades locais e serviços, em conjunto com os cidadãos.”

40 anos a proteger a água na União Europeia

A qualidade das águas balneares na Europa melhorou substancialmente nos últimos 40 anos, momento em que foi introduzida a Diretiva da UE sobre Águas Balneares. A monitorização e gestão eficazes introduzidas ao abrigo desta diretiva levaram a uma redução drástica das águas residuais municipais e industriais não tratadas ou parcialmente tratadas, que acabavam no mar.

Como resultado, cada vez mais zonas balneares não só cumprem os padrões mínimos de qualidade, como conseguem que estes cheguem aos mais altos padrões. 

O desafio de uma hidratação saudável e sustentável

Por Nutrição & Fitness

Num mundo onde as alterações climáticas transformam a gestão da água um desafio crescente, a hidratação torna-se um tema ainda mais importante. E preocupante. De tal forma que a importância de uma hidratação saudável, mas sustentável esteve em destaque no III Congresso Internacional e V Nacional de Hidratação, que se realizou em Espanha.

“O crescimento rápido da população mundial deixa antever que um aumento de quase um terço na procura de água em 2050″, alerta Lluis Serra-Majem, diretor do Grupo de Nutrição da Universidade de Las Palmas da Gran Canaria e director da Cátedra Internacional de Estudos Avançados em Hidratação, responsável pela organização do congresso.

O uso sustentável da água foi, por isso mesmo, um tema debatido em várias sessões do encontro. “Os desafios atuais da gestão da água são evidentes em todos os setores, o que exige novas formas de gestão deste valioso recurso natural”, reforça Serra-Majem. Tarefa da responsabilidades das organizações, mas para a qual, concordam os especialistas, todos os cidadãos podem e devem dar o seu contributo.

Para além de uma gestão integral e transparente, o uso sustentável de água nas cidades requer uma maior exigência e controlo do cumprimento da legislação, assim como uma maior informação, educação, consciencialização e participação individual.

Um carrinho de compras saudável e sustentável

Apesar de ser grande a proporção de pessoas que fazem a sua ingestão de água no local de trabalho ou estudo, a alimentação em casa adquire uma grande relevância na configuração dos hábitos alimentares. Nesse sentido, o carrinho de compras desempenha um papel importante como estratégia para favorecer uma dieta familiar mais saudável.

Um dos aspectos determinantes é a presença de produtos de origem vegetal, especialmente frutas e vegetais frescos, sazonais e, se possível, locais, explicou Carmen Pérez-Rodrigo, especialista em nutrição. A água também tem que fazer parte, eleita como a bebida preferida, especialmente para os pequenos. 

Exercício Físico – Hidratação é tão ou mais importante que treino para os atletas

Por Marque na Agenda

Exercício Físico – A importância da Hidratação para os atletas durante o treino 

Sabia que durante o exercício físico como uma partida de futebol, um jogador pode perder até três litros de água através do suor? Ou que uma perda de líquidos correspondente a mais de 2% do peso corporal induzida pelo exercício físico pode causar danos no rendimento físico, mental e na saúde dos atletas? É para o evitar que os especialistas deixam conselhos redobrados, que passam pela manutenção de um estado de hidratação adequado ao treino.

No desporto de competição, a hidratação é tão ou mais importante que o treino. Estar bem hidratado é fundamental para a obtenção de um bom rendimento, isto porque a atividade física intensa, como aquela que realizam os atletas profissionais, aumenta a temperatura do corpo e conduz a uma maior perda de água e eletrólitos através do suor que, por sua vez, pode provocar desidratação. Tudo isto a não ser que estes fluídos sejam repostos de forma adequada.

A garantia é dada por Toscana Viar, responsável pelo Serviço de Nutrição do Atlético Clube de Bilbao e do Bilbao Basket, e uma das intervenientes no III Congresso Internacional e V Nacional de Hidratação, que decorreu em Bilbao, Espanha, organizado pela Cátedra Internacional de Estudos Avançados em Hidratação.

“Durante uma partida de futebol podem perder-se mais de três litros de água através do suor, o que varia consoante a intensidade, o tempo jogado e as condições climáticas, assim como as características físicas de cada desportista. Por isso, é necessário que todas as pessoas que praticam este desporto sigam um protocolo correto de hidratação antes, durante e depois do esforço físico que realiza.”

O que se deve repor após o exercício físico?

Na hora de escolher a melhor bebida para a correta hidratação dos atletas é preciso ter em conta a quantidade de exercício físico realizado e o nível de intensidade do mesmo durante o treino.

No caso dos desportistas que realizam exercício físico de intensidade elevada, de duração prolongada (superior a 60 minutos) ou num ambiente quente, é necessária a ingestão de bebidas com hidratos de carbono e eletrólitos, para prevenir perdas hídricas superiores a 2% da sua massa corporal e evitar um eventual golpe de calor.

Para conhecer as suas necessidades a este nível, os especialistas aconselham os desportistas a usarem marcadores de hidratação, como a cor da urina, as alterações no peso corporal antes e depois do exercício físico e a perceção da sensação de sede.

Estar atento é essencial, uma vez que, de acordo com os estudos existentes, as consequências associadas à desidratação podem ir de uma quebra de rendimento, câibras, dores de cabeça, náuseas, vómitos, debilidade, desorientação, linguagem incompreensível, confusão mental, letargia, convulsões, edema pulmonar, até à morte.

Hidratação antes do exercício físico

Por isso, três a quatro horas antes da prática de exercício físico, Toscana Viar aconselha a ingestão de cinco a sete mililitros de líquido por quilo de peso, através de uma bebida que deve conter hidratos de carbono que proporcionem energia e sódio, capaz de estimular a sede e ajudar à absorção de água, para que se atinja um estado ótimo de hidratação.

Durante o exercício físico

Viar recomenda, durante o exercício físico, a ingestão de entre 100 a 250 mililitros de bebidas destinadas aos desportistas, em intervalos regulares, até ao máximo de um a 1,5 litros por hora, sobretudo líquidos que contenham 6% a 8% de hidratos de carbono. Aconselha ainda que o desportista beba sempre que lhe for possível e que o jogo o permita.

E quando o jogo termina?

A hidratação deve começar assim que termina a partida, para proporcionar uma boa recuperação. O aconselhável é que se consumam hidratos de carbono de elevado nível glicémico, que pode ser encontrado em bebidas destinadas aos desportistas que contenham eletrólitos como sódio, potássio ou magnésio.

Para determinar qual a quantidade que deve ser reposta, os especialistas recomendam que o atleta “se pese antes e depois do jogo ou treino. A diferença determinará o líquido perdido e, por isso, aquele que se deve ingerir para uma reidratação de forma correta”, afirma Toscana Viar.

Porque devem as grávidas beber mais água?

Por Nutrição & Fitness

Gravidez – A importância da água para as grávidas

Durante a gravidez e amamentação, aos dois litros de água diários recomendados como o valor ideal de ingestão de água para as mulheres adultas, as grávidas deveriam acrescentar mais. São as necessidades de líquido da mãe e do filho que o exigem.

Foi durante o III Congresso Internacional e V Nacional de Hidratação, organizado pela Cátedra Internacional de Estudos Avançados em Hidratação e que decorreu em Bilbao, Espanha, que veio o alerta. 

“As grávidas precisam de água para formar o líquido amniótico que rodeia o bebé, apoiar o aumento do volume do plasma sanguíneo e produzir o leite materno para a amamentação.”

Adriana Ortiz Andrellucchi, professora associada de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria, acrescenta aqui os vómitos que, nas primeiras fases da gravidez, “podem causar perdas de líquidos”.

É por isso que, tendo em conta o aumento do peso corporal e da ingestão calórica durante a gravidez, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) aconselha que se devem acrescentar 300 ml à ingestão diária de dois litros, recomendada para as mulheres adultas.

“Deveria incentivar-se as grávidas a aumentar a ingestão de água e outros líquidos, para satisfazer as novas necessidades fisiológicas do seu organismo e as do bebé”, reforça a especialista.

A gravidez costuma ser responsável por um aumento de peso entre os 10 e 15 quilos. Só o feto representa cerca de 25% desse peso, com 5% a referirem-se à placenta e 6% ao líquido amniótico. Já a água, costuma representar cerca de dois terços do aumento do peso materno, representando, no fim do primeiro trimestre, 94% do peso do bebé.

Exigências durante a amamentação

No período de amamentação, as mães perdem valores significativos de líquido. Contas feitas, a quantidade de leite ingerida pelos bebés situa-se, segundo as estimativas, à volta dos 700 ml por dia, que varia consoante as necessidades dos recém-nascidos.

“A composição do leite materno é diferente durante a toma. De início, tem mais água para hidratar o bebé e, no fim, apresenta mais gordura, que permite saciar o bebé e é onde se encontram as gorduras essenciais para o seu desenvolvimento neuronal”, assinala Ortiz Andrelluchi.

Por isso, a EFSA conclui que a ingestão de água nas mães que dão de mamar deve compensar a perda de água que acontece com a amamentação, recomendando que se junte à quantidade de referência 700 ml diários. Mais ainda, tendo em conta que:

“A desidratação também pode causar cansaço, num momento que só por si já é bastante setressante.”

300 especialistas reunidos em Espanha

O III Congresso Internacional e V Nacional de Hidratação juntou mais de 300 cientistas internacionais de áreas como a endocrinologia, nutrição, saúde pública, bioquímica, entre outros, para analisar as últimas evidências científicas no campo da hidratação, saúde e equilíbrio nutricional.

A Cátedra Internacional de Estudos Avançados em Hidratação é uma entidade de investigação académica de carácter internacional, lançada com o objetivo de contribuir com rigorosas evidências científicas e referências a nível global para a compreensão do papel da hidratação na saúde, apoiando estratégias e programas de saúde pública que incentivem a ingestão de água.

Ver também:  A receita para engravidar ou ter uma vida sexual mais ativa? Comer marisco

A importância da água e os motivos que o deviam levar a beber mais

Por Marque na Agenda

Por certo já ouviu falar sobre a importância de uma correta hidratação, sobre a necessidade de beber água e sobre os riscos de não o fazer. Aqui, explicamos-lhe qual a importância da água e porque é que deveria beber mais.

Reunidos no III Congresso Internacional e V Nacional de Hidratação, que chegou ao fim nesta terça-feira (15 de maio) em Bilbau, Espanha, muitos foram os especialistas na matéria que se debruçaram sobre esta temática, com estudos e descobertas que ilustram o quão importante é este líquido para uma vida saudável.

Se não sabe ou já não se recorda, deixamos-lhe alguns dados que podem servir de motivação para encher o seu copo.

A importância e o futuro da hidratação debatidos em congresso internacional

Por Marque na Agenda

Sabia que, de acordo com as recomendações da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar, as mulheres e homens adultos deveriam consumir entre 2 e 2,5 litros diários de água, respetivamente? É para reforçar a importância de uma hidratação correta e dar conta das novidades nesta área que dezenas de especialistas se vão reunir, em Bilbau, num encontro internacional sobre o tema.

Para além de reforçar a importância da ingestão de água nas diferentes etapas da vida, no âmbito de um estilo de vida saudável, III Congresso Internacional e V Nacional de Hidratação, que vai decorrer em Bilbau, Espanha, de 13 e 15 de maio, pretende ainda reforçar a necessidade de se implementarem medidas de sustentabilidade da água, no sentido de fazer frente às alterações climáticas.

Contando com a participação de peritos internacionais de áreas como endocrinologia e nutrição, saúde pública, tecnologia dos alimentos, bioquímica e biologia molecular, nefrologia e fisiologia do desporto, que vão apresentar os mais recentes estudos científicos sobre a hidratação, saúde e equilíbrio nutricional, o encontro vai arrancar a palestra Hidratação e saúde: prova científica e recomendações’, da responsabilidade de Lluís Serra-Majem, presidente do Comité Científico do Congresso, Diretor da Cátedra Internacional de Estudos Avançados em Hidratação (CIEAH) e Catedrático de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria.

A conferência de encerramento ‘Hidratação e equilíbrio nutricional’ será da autoria de Adam Drewnowski, catedrático de Epidemiologia, Diretor do Centro de Nutrição e Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública, e Diretor do Centro de Investigação de Obesidade da Universidade de Washington, EUA.  

Os diferentes aspetos da hidratação

Durante os três dias em Bilbau, os especialistas analisarão de forma multidisciplinar todos os aspetos ligados à hidratação, com sessões científicas agendadas sobre as necessidades hídricas na prática desportiva, o estado hídrico da população, os aspetos comportamentais e os mitos da hidratação, entre vários outros temas.

Os potenciais benefícios de uma hidratação adequada na saúde renal e na gestão do estado hídrico dos doentes com doença renal crónica serão abordados no primeiro dia de encontro, sendo a importância de uma correta ingestão hídrica no exercício físico debatida em duas sessões científicas: ‘Hidratação e Fisiologia do desporto: uma visão prática’, ‘Normas globais da hidratação no desporto de elite’ e ‘Hidratação e Desporto’.

Sustentabilidade e pegada hídrica

A sustentabilidade na utilização da água também será um dos temas em análise, com um apelo à responsabilidade social das empresas para uma melhor gestão e consciencialização sobre o uso deste  recurso natural.

Coincidindo com a publicação do ‘Relatório Mundial sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos das Nações Unidas 2018’, a CIEAH quer, através do seu diretor, unir esforços coletivos para promover o uso sustentável da água, no âmbito da Agenda 2010 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

Hidratação e Obesidade

Com a colaboração da Sociedade Espanhola para o Estudo da Obesidade, em Bilbau será analisada a influência de uma hidratação adequada  na gestão de doentes com síndrome metabólico, assim como a relação da atividade física e sedentarismo na saúde metabólica e Índice de Massa Corporal em crianças e adolescentes.

Outra das sessões científicas do congresso analisa o estado de hidratação na diferentes etapas da vida: durante a gravidez e no período de lactação, em crianças e adolescentes e na fase sénior.