hipercolesterolemia familiar

Hipercolesterolemia familiar, uma doença que continua subdiagnosticada em Portugal

Por País

Chama-se hipercolesterolemia familiar e é uma doença genética e hereditária, caracterizada por elevados níveis de colesterol desde o nascimento, que levam ao aparecimento de aterosclerose e doenças cardiovasculares precoces. O que significa que as pessoas com esta doença, com idades entre os 20 e os 40 anos, têm um risco 100 vezes superior de desenvolver doença cardiovascular, nomeadamente enfarte do miocárdio. Um risco que pode ser prevenido, isto se a patologia for identificada precocemente. No entanto, a falta de diagnóstico é uma realidade nacional.

Ler Mais

óleo de coco e saúde cardiovascular

Saúde cardiovascular à mesa: mitos, conselhos e sugestões

Por Nutrição & Fitness

A ideia de que somos o que comemos ganha cada vez mais força com dados, como os das European Cardiovascular Disease Statistics de 2017, que elegem os hábitos alimentares desequilibrados como o fator de risco que mais contribuiu para a mortalidade por doenças cardiovasculares. É por isso que a Associação Portuguesa de Nutrição (APN) lança o e-book: Dislipidemias: Caracterização e Tratamento Nutricional, que quer ajudar a mudar este cenário.

Chama-se dislipidemia à presença elevada ou anormal de lípidos no sangue, situação que, em 2016, foi responsável por 20 a 30% do total de mortes na Europa associadas às doenças cardiovasculares. Seja o colesterol elevado, os triglicéridos acima do normal ou uma mistura dos dois, aqui o risco é maior. E os cuidados com o que se põe no prato também devem ser.

Ovo, amigo ou inimigo?

No e-book agora disponibilizado, dão-se conselhos e deitam-se por terra alguns mitos. Como o do ovo. Por muitos transformado em inimigo de uma alimentação equilibrada, acusado de ter um elevado teor de colesterol, o ovo tem sido incompreendido, garante a APN, que esclarece:

“Este é um alimento interessante a nível nutricional, sendo maioritariamente constituído por água e proteína, possuindo quantidades moderadas de gordura.”

É rico em vitamina D, vitamina B12 e riboflavina (vitamina B2), uma boa fonte de vitamina A, vitamina B6, vitamina E, fósforo e ferro, para além de substâncias antioxidantes, “importantes na promoção da saúde cardiovascular”.

O que significa que “consumir até um ovo por dia não parece aumentar o risco de doença cardiovascular, desde que o seu consumo se enquadre num padrão alimentar saudável aliado a um estilo de vida ativo”.

Marisco no menu

Então e o marisco? Há quem garanta que é aqui proibido. No entanto, esclarece a APN, “de um modo geral, o marisco apresenta teores de gordura saturada muito baixos comparativamente com as carnes (inclusive as brancas) e muito semelhantes aos do peixe”.

Sim, é verdade que há alguns tipos de mariscos com concentração mais elevada de colesterol, mas “no que concerne ao consumo de marisco por doentes com dislipidemia, este é nitidamente permitido, sempre com a devida parcimónia e bom senso adjacentes a uma alimentação saudável, variada e equilibrada”.

Óleo de coco vs azeite

Tem vindo a ocupar um lugar cada vez mais importante numa alimentação que se quer saudável. No entanto, o óleo de coco é “uma gordura com um perfil lipídico predominantemente saturado (aproximadamente 82%)”.

Ou seja, tendo em conta que os ácidos gordos saturados estão associados ao aumento do colesterol, “o seu consumo regular é desaconselhado”. Aqui, o azeite, “sempre com a devida moderação”, surge como uma opção mais benéfica.