Inverno é sinónimo de frio, de chuva, de nariz a pingar, de gargantas inflamadas, de constipações e gripes, como aquelas que têm ‘entupido’ as urgências nacionais. Mas o inverno castiga também os ouvidos. Por isso, a saúde auditiva merece atenção, até porque, em Portugal, 60% dos casos de otites médias agudas manifestam-se nos meses mais frios.

Os dados, recolhidos no âmbito de um dos estudos realizados pela GAES – Centros Auditivos, confirma que a saúde auditiva deve merecer também atenção quando o frio aperta, para evitar otites que, explica Alexandra Marinho, audiologista da GAES, se trata de um “problema caracterizado por uma inflamação no ouvido médio, afetando qualquer indivíduo, independentemente da sua idade”.

São, no entanto, as “crianças e idosos os grupos mais propícios a contrair doenças durante esta época do ano, principalmente porque o seu sistema imunitário possui menor capacidade defensiva perante agressões externas como o vento, o frio ou a chuva”.

Conselhos e dicas que podem fazer a diferença nos ouvidos

A prevenção é também aqui o melhor remédio. E esta passa por não esquecer a higiene dos ouvidos e fazê-la corretamente: recorrendo a difusores de água marinha e evitando o uso de cotonetes, uma vez que a cera acumulada junto à membrana timpânica é empurrada por estes. Depois do banho, há que secar cuidadosamente os ouvidos com uma toalha.

Há que optar por uma alimentação saudável e equilibrada, rica em vitamina B-12 (leite e seus derivados, ovos, fígado, carnes vermelhas, aloé vera, algas ou pólen), altamente benéfica para o sistema nervoso e também para os ouvidos.

Importa também ter atenção às otites mal curadas, que podem provocar inflamação num ou em ambos os ouvidos. Não é grave, mas pode causar problemas de audição, que desaparecem se forem tratados adequadamente.

Para quem apresenta dor ou desconforto, há que consultar um especialista e fazer uma avaliação auditiva. Isto deverá acontecer especialmente após se ter curado uma otite ou qualquer tipo de infeção do ouvido, com o objetivo de comprovar se afetou ou não a audição e tomar o quanto antes as medidas adequadas.

Os especialistas aconselham ainda aqueles que estão doentes, mesmo que à partida não tenha que ver com os  ouvidos, a estarem atentos. Doenças como a bronquite ou a faringite podem afetar a saúde auditiva, bem como o catarro ou uma gripe, seja porque aparecem focos infecciosos no aparelho auditivo ou porque o sistema imunitário se debilita.