Factos e conselhos sobre como enfrentar o frio

frio

É saudável tomar um banho frio no inverno? É verdade que a maior parte da perda de calor ocorre através da cabeça? Podemos ficar doentes se as nossas pernas ficarem frias? Nos últimos anos, os banhos de inverno tornaram-se muito populares, com os seus defensores a acreditarem que é bom para o sistema imunitário, enquanto os detratores dizem que o frio simplesmente nos faz adoecer. Afinal, o que é que diz a ciência sobre os efeitos do frio no nosso corpo?

Øystein Wiggen, cientista, investigador, fisiologista e perito em baixas temperaturas do SINTEF, uma das maiores organizações de investigação independentes da Europa, explica que “tem sido realizada muito mais investigação sobre os aspetos prejudiciais dos banhos frios do que sobre os seus potenciais benefícios, pelo que temos de nos debruçar cuidadosamente sobre quaisquer conclusões definitivas”. No  entanto, acrescenta, “os banhos frios parecem ter muitos benefícios positivos”.

Há provas de que podem ajudar a equipar melhor o sistema imunitário contra potenciais ameaças e que pode realmente ser benéfico para a inflamação crónica das articulações. “Uma teoria baseia-se na ideia de que o nervo vago desempenha um papel fundamental na resposta do nosso corpo a infeções e que expor o corpo a água fria pode, de facto, ser uma forma simples de estimular este nervo. Prevemos que mais investigação será realizada nesta área no futuro”, afirma o especialista.

É verdade que os banhos frios ajudam o nosso corpo a recuperar, garante. “Pensa-se que a combinação da baixa temperatura e da pressão da água resulta num efeito positivo. É como colocar uma meia de compressão refrigerada. A investigação aqui realizada concorda que os banhos frios reduzem a rigidez muscular percebida e promovem uma recuperação mais eficaz”.

Ainda de acordo com o especialista, “um outro benefício da exposição ao frio é o aumento da ativação da gordura castanha. A gordura castanha é composta por células de gordura que queimam calorias, o que produz calor que ajuda a manter a temperatura corporal. Qualquer aumento na atividade da gordura castanha pode oferecer muitos benefícios e este é outro campo que necessita de mais investigação futura”.

No entanto, deixa o alerta: “tem de tomar banhos frios regularmente para tirar o máximo partido deles. Tal como no treino em geral, não obterá muitos benefícios de saúde apenas com uma única corrida ou a tomar um banho frio apenas de vez em quando”.

Proteger a cabeça quando está frio

Quão importante é realmente cobrir a cabeça quando está ao frio? “O mito de que a maior parte da perda de calor do corpo ocorre através da cabeça é exatamente isso”, garante Wiggen. “A perda de calor tem tudo a ver com isolamento e é maior onde quer que a pele esteja exposta. Por isso, em geral, não é verdade que uma determinada parte do corpo liberta mais calor do que qualquer outra. Mas a nossa sensibilidade varia. Sentimos a mesma temperatura externa de forma totalmente diferente através dos nossos dedos do que através das nossas pernas. Os nossos dedos sentirão sempre o mais frio. Dito isto, ainda é uma boa ideia usar um gorro para nos mantermos quentes.”

É também útil saber que as nossas coxas e partes inferiores das pernas são menos sensíveis ao frio do que outras partes do corpo. “É por isso que muitas pessoas pensam que não há problema em usar um casaco grosso e calças de ganga finas. Mas com roupa como esta, as nossas pernas serão responsáveis por mais de metade da perda total de calor do nosso corpo. Assim, se quiser evitar congelar quando está realmente frio, deverá usar camisolas compridas em vez de uma camisola interior de lã extra”, refere o investigador.

E é verdade que as pessoas magras ficam mais frias mais depressa? “A gordura é um bom isolante”, confirma Wiggen. “Entre outros animais, é muito claro que as camadas de gordura se desenvolvem mais espessas no inverno do que no verão”.

“As pessoas mais pequenas e mais finas têm uma grande superfície em relação à sua massa corporal em comparação com as pessoas maiores, mais espessas. Isto significa que perdem calor e sentem o frio mais facilmente do que as pessoas gordas. É particularmente importante lembrar-se disto quando se está fora durante o tempo frio com crianças pequenas. Elas vão apanhar frio mais rapidamente do que os adultos.”

Pés frios sinónimo de doença?

Não há provas de que se pode adoecer com os pés frios. “Contudo, estudos recentes indicaram que o ar frio enfraquece o sistema imunitário. Isto acontece quando as células do nosso nariz, que são concebidas para nos proteger contra vírus e bactérias, são enfraquecidas pelo frio, tornando mais fácil as infeções. Também é mais fácil contrair infeções se houver muitas pessoas juntas, como por exemplo num autocarro. No entanto, não há dúvida de que é particularmente desconfortável ter os pés frios e posso dar alguns conselhos para aqueles que querem manter os dedos dos pés quentes.”

“A primeira coisa a fazer para manter os pés quentes é certificar-se de que estão completamente secos”, aconselha. “A água conduz o calor 25 vezes mais depressa do que o ar, que é de longe o melhor isolante.” Para os mais urbanos, recomenda “forrar as solas dos sapatos com jornal. Utilizo frequentemente este truque em combinação com palmilhas de lã. É muito barato e muitas vezes carrego comigo algumas palmilhas de jornal extra no caso de ter de as substituir enquanto estou a passear.”

Wiggen diz ainda que há uma forma simples de manter os dedos quentes. “Quando começamos a ficar fisicamente ativos, o corpo primeiro envia sangue para os principais grupos musculares que têm maior necessidade de oxigénio. Quando estes são aquecidos, mas os seus dedos continuam a estar muito frios, pode ser uma boa ideia parar por algum tempo porque isto faz com que o sangue transporte o calor excedente para a nossa pele e dedos. Portanto, deixem cair os braços e usem a força centrífuga para levar o calor à ponta dos dedos ainda mais depressa.”

Quando o frio é um perigo

Quando é que nos tornamos tão frios que isso se torna perigoso? “O corpo tem vários mecanismos para nos avisar contra isso”, diz Wiggen. “Quando ficamos muito frios, começamos instintivamente a tremer como forma de manter a temperatura do nosso corpo. Se a nossa temperatura central cair dois graus, este mecanismo de tremor atinge o seu auge. Esta é uma situação grave, que felizmente só muito poucos de nós alguma vez experimentaram.”

Mas todos sabemos o que é ter a pele fria. “Quando a temperatura da nossa pele desce abaixo dos 15°C, a maioria de nós começa a sentir dor e grande desconforto. Não estou a falar apenas daquele formigueiro doloroso na ponta dos dedos, o que significa simplesmente que estamos a voltar a sentir o calor nos dedos. Quando a temperatura nos nossos dedos desce abaixo dos 10°C, as coisas estão realmente a tornar-se mais perigosas. Ficam dormentes e o risco de hipotermia e de lesões provocadas pelo gelo aumenta significativamente. Se isto começar a acontecer, é importante aquecer o mais rápido possível. Vá para dentro de casa ou aumente os seus níveis de atividade ao ponto de sentir que o seu corpo está a produzir o calor necessário para se manter quente”, diz ele.

A melhor forma de aquecer mais depressa quando se está tão frio que se pode sofrer de hipotermia “é tomar um duche quente, seguido de uma bebida quente. Se não tiver um duche disponível, o melhor é simplesmente pôr o seu corpo em movimento. É espantoso como se pode aquecer com apenas alguns levantamentos de braços ou saltando no mesmo sítio. A roupa interior húmida causará níveis desnecessariamente elevados de perda de calor, pelo que é importante mudar para roupa seca”.

Posts relacionados