#MovimentoViverIntensamente devolve tempo de recreio às crianças

crianças a brincar

A pandemia por Covid-19 trouxe-nos inúmeros desafios e colocou-nos, a todos, incluindo crianças, numa situação nunca antes vivida. Para tornar a vida em confinamento mais fácil e mais lúdica, o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a AstraZeneca, a Metacriações e a GuessWhat, criaram o #MovimentoViverIntensamente, lançado no Dia Mundial do Brincar, assinalado a 28 de maio e celebrado já em mais de 40 países de todo o mundo.

Numa altura em que os mais pequenos se viram confinados em casa, longe da escola, dos amigos e do recreio, a gestão familiar passou a ser mais desafiante. É aqui que entra este movimento, que passa por devolver às crianças, dentro do possível, o tempo de recreio, um momento fundamental no seu desenvolvimento pessoal e social.

Para Melanie Tavares, coordenadora dos setores da Atividade Lúdica e da Humanização dos Serviços de Atendimento à Criança do IAC, este movimento “chega numa altura crucial, permitindo relembrar que, estarmos juntos todos os dias, pode ser sinónimo de momentos divertidos em família e de novas oportunidades de interação familiar”.

“Brincar é a linguagem da criança”, refere a especialista, “através da qual ela comunica, mostra o que está a sentir, conhece-se a si e ao mundo e, por isso, contribui para um crescimento saudável em todas as áreas do desenvolvimento: psicológico, cognitivo, motor e social”.

Desafio: brincar

No atual contexto de pandemia, no qual as crianças deixaram de ir à escola, torna-se pois fundamental dar-lhes ferramentas que permitam manter-se ativas nas suas brincadeiras e, acima de tudo, felizes.

E brincar não é importante só para as crianças. Também a ludicidade nos adultos é fundamental. Desafiar os adultos a relembrar como brincavam, o que sentiam na infância, as brincadeiras preferidas, partilhá-las com as crianças e recordar a diversão e prazer que sentiam trará memórias muito importantes do ser lúdico que todos nós fomos e deveríamos continuar a ser.

Contudo, “a criança tem uma motivação própria para brincar. É para ela algo de espontâneo e natural. Assim, o mais importante é permitir-lhe que brinque, dar-lhe liberdade e não cair na tentação de estruturar demasiado o seu tempo livre, com muitas atividades que, ainda que sejam lúdicas, não devem ser impostas sem ouvir a sua voz”.

Para tal, Melanie Tavares aconselha os pais a sugerir atividades às crianças, mas no fim, “devem deixá-las escolher livremente ao que querem brincar, interagindo com elas como parceiros de brincadeira”.

O espírito do #MovimentoViverIntensamente é também este e passa pelo lançamento de desafios semanais. As famílias deverão registar-se no site para receberem diretamente no seu email, as atividades, sendo depois desafiadas a partilharem os resultados nas redes sociais, criando assim uma onda de partilha positiva, sustentando a ideia de um movimento.

Os primeiros 1000 registos receberão em casa uma semente para plantar. Esta é uma iniciativa de destaque, já que pretende deixar uma mensagem de esperança para o futuro. 

O #MovimentoViverIntensamente conta com uma série de parceiros, entre sociedades médicas, ordens profissionais, associações de doentes, entre outras. Além do site, o movimento conta com uma página de Facebook e Instagram.

Posts relacionados