Até ao fim de setembro de 2019 foram reportados quase 1.000 casos de violência contra profissionais de saúde no local de trabalho, revelam os dados do Governo. Números que têm vindo a aumentar e que justificam a criação do agora anunciado gabinete de segurança na saúde, na dependência da Ministra da Saúde, que aposta numa abordagem mais sistemática dos problemas da violência contra quem trabalha nas instituições de saúde.

Em 2018, foram comunicados 953 casos de agressão a profissionais de saúde no decorrer da sua atividade, sendo as injúrias o principal tipo de notificação, representando cerca de 80% do total.

Porque as situações se sucedem, com tendência a aumentar, o Governo decidiu criar medidas, anunciadas no final de um encontro entre o ministro da Administração Interna e a ministra da Saúde.

De acordo com Marta Temido, o gabinete que vai agora ser criado terá “uma função de apoio técnico” à área governativa da Saúde, para que seja possível ter “uma abordagem mais sistemática dos problemas da violência contra estes profissionais”.

Melhorar instalações para proteger profissionais de saúde

Foi o ministro da Administração Interna que explicou que será colocado um oficial das forças de segurança junto do gabinete da Ministra da Saúde, e que será responsável por coordenar a avaliação das áreas de maior risco, já identificadas.

Caberá ainda a este verificar de que forma se poderá melhorar as instalações de saúde, sobretudo hospitais, em termos de segurança para os profissionais que nelas trabalham.