Dieta rica em sal pode aumentar o risco de arritmia cardíaca

fibrilhação auricular

Que o sal contribui para a hipertensão e outros problemas cardiovasculares, já se sabia. Agora, um grupo de cientistas associa o excesso de sal na dieta ao risco de fibrilhação auricular, a mais frequente forma de arritmia, que afeta milhões de pessoas em todo o mundo.

Num novo estudo, publicado no Annals of Medicine, foram acompanhados 716 homens e mulheres de meia-idade ao longo de 19 anos, para confirmar esta associação. 

Um passo importante, uma vez que quem sofre deste problema corre um risco acrescido de AVC e insuficiência cardíaca. O que significa que se o sal for um fator de risco evitável, isso apresentaria novas oportunidades de prevenção.

Maior consumo de sal associado a risco acrescido

De facto, a associação existe. Ou seja, encontrou-se uma maior incidência de fibrilhação auricular nas pessoas que consumiram mais sal, em comparação com aqueles que o ingeriam menos.

“Este estudo fornece a primeira evidência de que o sal pode aumentar o risco de fibrilhação arterial de início recente, aumentando a lista crescente de perigos associados ao consumo excessivo de sal na saúde cardiovascular”, explica Tero Pääkkö, especialista da Universidade de Oulu, na Finlândia.

“Embora sejam necessários mais estudos, os nossos resultados sugerem que as pessoas que estão em um risco aumentado de fibrilhação arterial podem beneficiar de uma restrição de sal na sua dieta.”

Novas formas de prevenção

A probabilidade de desenvolver fibrilhação auricular aumenta com a idade, afetando cerca de sete em 100 pessoas com 65 anos ou mais. O que significa que, com o envelhecimento da população, se prevê que os números dos que desenvolvem esta condição aumentem drasticamente nos próximos anos, à medida que as pessoas continuam a viver mais tempo.

Confirmar a associação entre o problema e a elevada ingestão de sal na dieta irá fornecer aos formuladores de políticas novas formas para que se possa reduzir a sua incidência, através de intervenções de saúde pública.

Posts relacionados