Parece que os nossos pais e avós tinham razão quando alertavam para a importância de mastigar bem os alimentos. A alimentação lenta e a mastigação completa ajudam a prevenir a obesidade e o ganho de peso, uma visão popularizada há um século e testada posteriormente em estudos científicos esporádicos. Mas como funciona esta teoria? Um novo estudo dá a resposta. E confirma que mastigar pode ajudar a evitar os quilos a mais.

Normalmente, o processo de mastigação aumenta o gasto de energia associado ao metabolismo dos alimentos e aumenta a motilidade intestinal, o que, resumindo, permite um aumento na geração de calor no corpo após a ingestão de alimentos, conhecido como termogénese induzida pela dieta.

No entanto, como é que isto funciona para a perda de peso não era ainda claro. Recentemente, Yuka Hamada e Naoyuki Hayashi, especialistas da Universidade Waseda, no Japão, publicaram um estudo que fornece uma relação causal entre a mastigação e esta termogénese induzida pela dieta.

Também conhecida como efeito térmico do consumo de alimentos, a termogénese aumenta o gasto de energia acima do nível basal de jejum – um fator conhecido por prevenir o ganho de peso.

Anteriormente, a equipa tinha descoberto que a alimentação lenta e a mastigação completa não apenas aumentavam este processo, mas também a circulação sanguínea numa zona do abdómen.

“Não tínhamos certeza se o tamanho do bolo alimentar que entra no trato digestivo contribuiu para o aumento da termogénese induzida pela dieta que se observa após a ingestão lenta. Além disso, não sabíamos se os estímulos orais gerados durante a mastigação prolongada dos alimentos desempenham um papel. Para definir mastigação lenta como uma estratégia de controlo eficaz e científico de peso, precisávamos de analisar mais profundamente esses aspetos.”

E foi o que fizeram, um trabalho que permitiu concluir que mastigar bem os alimentos, aumentando o gasto energético, pode de facto ajudar a prevenir a obesidade e a síndroma metabólica. Hayashi conclui: “embora a diferença no gasto de energia por refeição seja pequena, o efeito cumulativo obtido durante várias refeições, tomadas todos os dias e 365 dias por ano, é substancial”.

Apoiado na ciência, fica a certeza que comer devagar e mastigar podem mesmo ser estratégias a considerar nos esforços de controlo de peso.