Menopausa precoce associada a aumento do risco de problemas cardíacos

menopausa

A menopausa antes dos 40 anos de idade está associada a riscos elevados de insuficiência cardíaca e fibrilhação auricular, revela um estudo publicado no European Heart Journal, um jornal da Sociedade Europeia de Cardiologia. O estudo, realizado com dados de mais de 1,4 milhões de mulheres, descobriu que quanto mais jovem a idade na menopausa, maior o risco destes problemas.

“Mulheres com menopausa prematura devem estar cientes de que podem ser mais propensas a desenvolver insuficiência cardíaca ou fibrilhação auricular do que os seus pares”, refere Ga Eun Nam, autor sénior do estudo e especialista da Korea University College of Medicine, na Coreia do Sul.

“Isso pode ser uma boa motivação para melhorar os hábitos de vida conhecidos por estarem associados a doenças cardíacas, como parar de fumar e praticar exercício.”

A doença cardiovascular costuma manifestar-se até 10 anos mais tarde nas mulheres do que nos homens e acredita-se que as mulheres na pré-menopausa beneficiem do efeito protetor do estrogénio no sistema cardiovascular. Mas a cessação da menstruação e o subsequente declínio dos níveis de estrogénio podem tornar as mulheres mais vulneráveis ​​a doenças cardiovasculares.

A menopausa precoce afeta 1% das mulheres com menos de 40 anos e vários estudos anteriores já encontraram uma associação entre esta e as doenças cardiovasculares em geral, mas a evidência de insuficiência cardíaca ou fibrilhação auricular é limitada. Foi o que este estudo quis examinar, com recurso a dados de mais de 1,4 milhões de mulheres na pós-menopausa, com 30 anos ou mais.

Cerca de 28.111 (2%) participantes tinham histórico de menopausa prematura e, durante um seguimento médio de 9,1 anos, 42.699 (3,0%) desenvolveram insuficiência cardíaca e 44.834 (3,2%) fibrilhação auricular.

Os investigadores analisaram a associação entre história de menopausa prematura e incidente de insuficiência cardíaca e fibrilhação auricular após ajuste para idade, tabagismo, álcool, atividade física, rendimento, entre outros. E confirmam que as mulheres que tiveram uma menopausa prematura apresentavam um risco 33% maior de insuficiência cardíaca 9% maior de fibrilhação auricular.

O risco de insuficiência cardíaca incidente aumentou à medida que a idade da menopausa diminuía: comparadas com mulheres com 50 anos ou mais, aquelas com 45 a 49, 40 a 44 e abaixo dos 40 anos apresentaram 11%, 23% e 39% maiores riscos de insuficiência cardíaca incidente, respetivamente.

Da mesma forma, o risco de fibrilhação auricular aumentou à medida que a idade da menopausa diminuiu, com riscos 4%, 10% e 11% maiores para aquelas com 45 a 49 anos, 40 a 44 anos e menos de 40 anos, respetivamente, em comparação com mulheres com 50 anos ou mais

“O equívoco de que a doença cardíaca afeta principalmente os homens significa que os fatores de risco específicos associados ao sexo têm sido amplamente ignorados”, refere o investigador principal.

“Acumulam-se evidências de que ter a menopausa antes dos 40 anos pode aumentar a probabilidade de doença cardíaca mais tarde na vida. O nosso estudo indica que a história reprodutiva deve ser tida em conta rotineiramente, além dos fatores de risco tradicionais, como tabagismo, ao avaliar a probabilidade futura de insuficiência cardíaca e fibrilhação auricular.”

Posts relacionados