Reduzir as quantidades de sal e açúcar em alguns alimentos é um dos objetivos do Governo. Para isso, espera ter fechado, até junho de 2018, o acordo com a indústria para o conseguir.

As negociações ainda não estão concluídas, mas os resultados são esperados para breve, afirmou a propósito o secretário de Estado Adjunto e da Saúde.

Um selo de qualidade para as padarias

Para combater o excesso de sal, estão também abertas as candidaturas para a iniciativa Selo Pão que, sob o mote «Menos sal, mesmo sabor», pretende conceder uma distinção pública às padarias que atinjam um teor no pão que não ultrapasse o 1g de sal por 100g de pão ainda durante este ano.

Serão aceites as primeiras 250 candidaturas recebidas, 89 na Região Norte, 82 na Região Centro, 55 na Região de Lisboa e Vale do Tejo, 13 na Região do Alentejo e 11 na Região do Algarve.

O consumo excessivo de sal, que é um dos maiores riscos de saúde pública em Portugal, é também uma realidade, confirmada pelos dados do último Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física IAN-AF (2015-2016), que revela que a população portuguesa apresenta um consumo médio de 7,3 g (2848 mg/dia de sódio), superior ao valor recomendado pela Organização Mundial da Saúde (não mais do que 5g de sal por pessoa, por dia).

Um consumo que está associado ao desenvolvimento de várias de doenças crónicas, sobretudo doenças cardiovasculares, que representam atualmente uma das principais causas de morte da população portuguesa. E o pão é um dos principais alimentos que contribui para este excesso, revelam também os dados do mesmo inquérito.