É o tipo de cancro que mais mata em Portugal, mas ainda há muito desconhecimento sobre os sintomas que lhe estão associados. E um diagnóstico precoce do cancro do pulmão pode significar a diferença entre viver ou morrer. Porque conhecer os sinais de alerta é, por isso, fundamental, no mês de sensibilização para o cancro do pulmão, a Associação Pulmonale, lança a campanha de sensibilização “Há sinais que entendemos facilmente. E outros que não podemos ignorar”.

Com o apoio da Roche, a campanha alerta para os principais sinais desta doença oncológica, que é o quarto cancro com maior incidência no País. Eduardo Madeira, ator e humorista, é o protagonista da campanha. 

Enquanto há sinais do nosso quotidiano que de imediato interpretarmos corretamente, outros há que não entendemos.

Tosse, dor no peito ou fadiga podem cair nessa categoria de sinais que não compreendemos muito bem, mas são precisamente aqueles que não devemos ignorar.

Numa linguagem acessível e descontraída, sem qualquer estigma ou carga negativa, a campanha pretende funcionar como um alerta para a necessidade de nos mantermos vigilantes e atentos aos sinais e sintomas do cancro do pulmão.

Só estando atentos a sintomas procuraremos ajuda médica. O diagnóstico precoce pode salvar vidas. Até porque o cancro do pulmão é demasiadas vezes diagnosticado numa fase tardia.

Avanços no tratamento do cancro do pulmão

A evolução na investigação clínica nos últimos anos faz com que o diagnóstico atempado de cancro do pulmão não seja sinónimo de sentença de morte, pelo que não deve desvalorizar os sintomas.

“O cancro do pulmão é uma das doenças oncológicas que mais pessoas afeta todos os anos, em Portugal e no mundo. E, apesar da incidência elevada, existe ainda um desconhecimento significativo, por parte da população, relativamente aos sintomas associados a este tipo de cancro. É por isto que desenvolvemos campanhas de sensibilização como esta porque só conhecendo os sintomas se consegue procurar um médico em tempo útil”, explica Isabel Magalhães, presidente da Associação de doentes Pulmonale.

Eduardo Madeira, o rosto desta campanha, sublinha a relevância de aliar o seu trabalho enquanto ator a uma causa de saúde pública que serve de alerta à população: “Fui fumador e felizmente libertei-me. Mas, como é óbvio, além de ter sido fumador, sei que há um risco sempre presente. O melhor é prevenir e evitarmos o tabaco, bem como promovermos uma vida saudável para cada um de nós.”

Entre os sintomas mais comuns do cancro do pulmão estão: tosse, expectoração com ou sem sangue, cansaço, agravamento da falta de ar, dor torácica ou no peito, entre outros.