Garantir o normal funcionamento da indústria nacional de medicamentos, assegurar a liberdade de circulação de medicamentos, de matérias primas e equipamentos de proteção individual em Portugal e na Europa e criar uma ‘Via Verde Europeia’ para o seu transporte são os objetivos que a APOGEN – Associação Portuguesa de Medicamentos Genéricos e Biossimilares quer ver cumpridos em tempos de pandemia.

Para tal, a associação pede ação ao Governo, para que haja uma atuação coordenada, a nível nacional e europeu.

“As empresas associadas da APOGEN, em teletrabalho ou nas unidades fabris, reforçam o seu empenho e compromisso no combate à pandemia de COVID-19, continuando a produzir e a fazer chegar os medicamentos genéricos e biossimilares a quem deles mais precisa”, afirma João Madeira, presidente da APOGEN.

Mas para isso é necessário, como reforça também a Medicines for Europe, a associação europeia que reúne as empresas do setor dos genéricos e biossimilares, uma ação concertada para a produção e o transporte, através de uma ‘via verde’ de medicamentos.

Em comunicado, aquela organização apela aos líderes de políticas globais e governos da Europa para que tudo façam no sentido de “manter as operações de fabrico e a cadeia de fornecimento de medicamentos essenciais”, permitindo que operam em plena capacidade. “Isso permitirá que as nossas empresas continuem a produzir muitos medicamentos essenciais.”