O projeto ‘PrimaryCare@COVID-19’ criou uma plataforma digital, ao nível dos cuidados de saúde primários, para apoiar e monitorizar doentes crónicos durante a pandemia da COVID-19. Esta plataforma digital possibilita que pessoas com doença crónica tenham teleconsultas como suplemento ou alternativa a consultas presenciais.

Em comunicado, explica-se que isto permite que médicos e enfermeiros dos cuidados de saúde primários possam acompanhar os doentes crónicos à distância.

Este projecto insere-se no contexto da saúde digital, sendo uma oportunidade para gerir pessoas com doença crónica durante epidemias, evitando que as suas doenças se descontrolem e evita idas desnecessárias aos serviços de saúde e urgência.

Esta plataforma digital possui componentes “inteligentes”, como algoritmos, que permitem um conjunto de alertas para os médicos e enfermeiros.

Proteger os doentes crónicos

Financiado pela Fundação para Ciência e Tecnologia, no âmbito do Research4COVID-19, o projeto resulta de uma colaboração entre a Universidade Nova de Lisboa e ARS Lisboa e Vale do Tejo, envolvendo ainda parceiros como o INOV INESC Inovação, na área da inovação, e uma parceria estratégica com a unidade de doenças crónicas do Hospital Universitário de Genebra, Suiça.

Já teve início um piloto de demonstração do sistema, envolvendo vários médicos e enfermeiros em três Unidades de Saúde Familiar da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo: USF das Conchas (Lumiar), USF Jardim dos Plátanos (Miraflores) e USF Ribeirinha (Barreiro), podendo vir a ser adotado por qualquer outra unidade de saúde dos cuidados primários em Portugal.

Os doentes crónicos são pessoas particularmente vulneráveis às complicações da COVID. Espera-se que esta plataforma melhore o acesso destas pessoas aos cuidados, numa altura de grande sobrecarga dos sistemas de saúde.

Além disso, os profissionais de saúde poderão realizar consultas com segurança e rigor evitando que os mais vulneráveis às complicações tenham que ir para salas de espera com muita gente.

Finalmente, permitirá reservar os espaços das unidades de saúde para aqueles em que é indispensável a observação presencial por enfermeiro ou médico, reduzindo o risco de contágio dentro das unidades de saúde.

Com esta plataforma digital, os profissionais de saúde poderão realizar consultas com segurança e rigor e acompanhar a adesão aos medicamentos, bem como informá-los sobre as medidas da COVID-19.