Exame ao intestino sem sair de casa? Pode estar para breve

intestino

“O cancro colorretal é a segunda forma de cancro mais comum no mundo, tanto para mulheres como para homens. A deteção precoce de pólipos no intestino é essencial” confirma Ilangko Balasingham, professor do Departamento de Sistemas Eletrónicos da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU). Por isso, a pequena pílula verde aqui investigada, que faz parte do programa 5G-HEART 5G-Health, que usa a tecnologia de rede 5G em tudo, pode em breve ser muito familiar para os maiores de 55 anos.

“Normalmente, um exame ao intestino exige uma ida ao hospital para fazer uma colonoscopia. Muitas pessoas estão relutantes em ser submetidas a este procedimento e, se não apresentarem nenhum sintoma, ficarão felizes em optar por não fazê-lo”, afirma Balasingham.

A atual expansão da rede 5G e a tecnologia de sinal recém-desenvolvida abrem a possibilidade de fazer este exame em casa. Os investigadores da NTNU desenvolveram um método para transmitir sinais de dados de uma pílula verde enquanto esta está dentro do corpo.

“As PillCams já existem, mas tiveram algumas fraquezas e não são usadas muito ativamente. O problema é que usam a capacidade da bateria para transferir as imagens de vídeo para um dispositivo externo. A nossa cápsula não precisa de usar a bateria para isso. Em vez disso, a energia é usada para aumentar as condições de iluminação, proporcionando melhor resolução e detalhes no vídeo. O importante, à medida que a cápsula se move pelo intestino, é garantir que não perca nada ao tirar poucas fotos ao longo do caminho.”

Exame ao intestino em casa

“Transmitimos ondas de rádio e obtemos respostas da pílula na forma de um reflexo. Pode comparar-se a ouvir um eco”, explica Balasingham.

O uso real da cápsula é controlado por uma aplicação no telemóvel e um sistema de IA (inteligência artificial) em tempo real analisa as imagens de vídeo ao longo do caminho e fornece feedback para a cápsula dentro do corpo.

“A aplicação é usada para registar informações sobre a pessoa e vincular os utilizadores à cápsula. De seguida, um sinal de luz do telefone é usado para ativar a cápsula antes de ser engolida e as filmagens começam. O vídeo em si é transferido para a rede, onde os computadores analisam o vídeo em busca de pólipos. Assim, todo o procedimento é automático, sem que as pessoas precisem de se envolver”, refere Balasingham.

Uma vantagem do uso desse tipo de cápsula é que também podemos examinar o intestino delgado, que de outra forma não veríamos com um exame de colonoscopia normal.

“A colonoscopia é o exame padrão para encontrar pólipos que podem evoluir para cancro”, refere Balasingham. Mas nem todos têm acesso. “As pessoas podem engolir esta pílula em casa. Começa a filmar a partir do momento em que isso acontece e até sair novamente. É uma solução muito mais barata”, diz.

Diagnóstico precoce salva vidas

O cancro do intestino é mais fácil de tratar quando detetado precocemente, e muitas vezes é necessário um tratamento menos extenso. Isso resulta em menos lesões de início tardio e uma melhoria na qualidade de vida. A maioria dos países da Europa introduziu ou planeia introduzir o rastreio intestinal de acordo com as recomendações da União Europeia.

“A deteção precoce significa muito. Na melhor das hipóteses, os doentes podem recuperar completamente. Mas isso requer a capacidade de remover quaisquer pólipos antes que estes se transformem em cancro”, explica Balasingham.

Posts relacionados