Existem em Portugal milhares de cuidadores informais. Os números reais não são conhecidos, assim como também não se conhecem totalmente as dificuldades que enfrentam. Sabe-se que têm poucos apoios, que são confrontados com desafios a nível económico, social e emocional e sabe-se também que nem o Estatuto do Cuidador Informal, aprovado há pouco mais de um ano, veio dar resposta a estes problemas.

É por isso que, no Dia Europeu do Cuidador, que se assinala no próximo dia 6 de outubro, várias associações de doentes nacionais unem os seus esforços para procurar melhorar a vida destas pessoas. E é assim que acaba de nascer o Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais.

O primeiro passo já foi dado, com a criação de um website onde se partilham testemunhos, informação relevante para os cuidadores e todos os projetos nascidos no âmbito deste Movimento, que se compromete a implementar ações capazes de ajudar, na prática, aqueles que cuidam, em áreas tão diferentes como a da comunicação e informação, gestão familiar e profissional, exaustão física e mental, gestão emocional, suporte psicológico, entre várias outras.

Neste website podem juntar-se todas as Associações em Portugal que queiram trabalhar nesta causa, com o apoio da Merck Portugal.

“A principal missão da Merck Portugal passa por melhorar a vida dos doentes. E isso só é possível ajudando quem deles cuida. Não podíamos ficar indiferentes aos cuidadores informais e às muitas dificuldades que são obrigados a enfrentar, tantas vezes sem qualquer ajuda”, refere Pedro Moura, Diretor-Geral da Merck Portugal.

“Daí o nosso apoio a este Movimento. Queremos  passar das palavras à ação. Porque, apesar de muitas as palavras e discussões à volta deste tema, a verdade é que são poucas as ações.”